sexta-feira, 26 de maio de 2017

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Nada de cremação ou enterro - opção por dissolver corpo após a morte ganha adeptos


Nada de cremação ou enterro - opção por dissolver corpo após a morte ganha adeptos



Robert J Klink passou sua vida perto d'água. Ele cresceu nos anos 1950, no South Long Lake, em Minnesota, Estado americano conhecido como a terra dos 10 mil lagos. Caçar e pescar nas margens desses reservatórios naturais era a paixão de sua vida.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Mais antigo ancestral humano pode ser originário da Europa


Mais antigo ancestral humano pode ser originário da Europa

Contrariando teoria em circulação de que primeiros pré-humanos vêm da África, cientistas da Alemanha estimam que espécie Graecopithecus freybergi seria ainda mais antiga e oriunda do leste do Mediterrâneo.

 Maxilar é um de dois fósseis conhecidos do hominídeo El Graeco


As linhagens genealógicas dos chimpanzés e dos seres humanos possivelmente se separaram na Europa, e não na África. Além disso, esse passo evolutivo teria ocorrido algumas centenas de milhares de anos antes do que se costuma pensar.


segunda-feira, 22 de maio de 2017

As bruxas ladras de pênis da Idade Média


As bruxas ladras de pênis da Idade Média


Livro mostra as mulheres como monstruosas e sexualmente insaciáveis. 

Símbolos pré-históricos revelam antiga catástrofe global


Símbolos pré-históricos revelam antiga catástrofe global


Inscrições de 12 mil anos indicam que cometa pode ter colidido com a Terra, causando resfriamento global. 

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Marília de Dirceu - P2de2 - Tomás Antônio Gonzaga


Marília de Dirceu - P2de2 - Tomás Antônio Gonzaga



Água mais clara,
Mais branda relva.

No colo a punha;
Então brincando
A mim a unia;
Mil coisas ternas
Aqui dizia.

CONTINUA E TERMINA A OBRA NO TEXTO ABAIXO

Marília de Dirceu - P1de2 - Tomaz Antônio Gonzaga


Marília de Dirceu - P1de2 - Tomaz Antônio Gonzaga



Marília de Dirceu é o título da obra poética máxima de Tomás Antônio Gonzaga, integrante do Arcadismo.
Data da primeira publicação: 1792
Autor: Tomás Antônio Gonzaga
Gênero: Poesia
Idioma original: Língua portuguesa


PARTE I

Lira I

Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,
Que viva de guardar alheio gado;
De tosco trato, d' expressões grosseiro,
Dos frios gelos, e dos sóis queimado.
Tenho próprio casal, e nele assisto;
Dá-me vinho, legume, fruta, azeite;
Das brancas ovelhinhas tiro o leite,
E mais as finas lãs, de que me visto.
Graças, Marília bela,
       Graças à minha Estrela!

SEGUE ABAIXO A OBRA COMPLETA: