Clique no PLAY para leitura automática do texto:

domingo, 9 de novembro de 2014

Zumbis muito além do ‘The Walking Dead’ descubra 5 coisas incríveis sobre eles


Zumbis muito além do ‘The Walking Dead’ descubra 5 coisas incríveis sobre eles


Mas, apesar de todo mundo saber um tantinho que seja sobre o assunto, há detalhes e fatos sobre esses seres obscuros que pouca gente tem conhecimento. Acompanhe a lista que preparamos e desvende de vez esses “segredos” sobre os morto-vivos

Eles estão em filmes, tramas de livros, games e são “protagonistas” até de séries famosas. Embora todo mundo saiba (ou tente acreditar) que tudo sobre os temidos zumbis não passa de criatividade, é impossível não ficar com aquela “pulga atrás da orelha” toda vez que a gente vê ou escuta uma história muito bem contada sobre os tais mortos-vivos, não é mesmo?

Há até gente que torce para um dia ver o mundo acabar com um monte dessas criaturas pelas ruas, colocando um bocado de gente para correr! Os Estados Unidos, por exemplo, têm até um plano, caso realmente haja um ataque dessas criaturas.

Mas, apesar de todo mundo saber um tantinho que seja sobre o assunto, há detalhes e fatos sobre esses seres obscuros que pouca gente tem conhecimento. Então, para desvendar de vez esse “segredo”, preparamos abaixo uma lista com 5 coisas que provavelmente você não conhece, mas deveria conhecer, sobre os insaciáveis zumbis.

Confira:


1. Zumbis pré-históricos


Se você acha que os zumbis são uma invenção recente, preste atenção nessa surpresa: o livro “The Mythical Creatures Bible” (As criaturas míticas da Bíblia), de Brenda Rosen, fala sobre lendas de mortos-vivos, contadas há milhares de anos. Um bom exemplo disso é a história do herói Gilgamesh, em que uma deusa irada acaba provocando um ataque de cadáveres pelo mundo a fora.


2. Cérebros e outras coisinhas mais


Na mitologia nórdica, os zumbis que conhecemos hoje contam uma uma espécie de “primos” vikings, conhecidos nas histórias comos Draugr. Conforme os relatos, a diferença entre os dois tipos de criaturas é que os últimos contam com uma admiração toda especial pelo sangue humano, enquanto os zumbis comuns gostam mesmo é de um cérebro!

Além disso, os Draugr podiam ainda se tornar gigantes, especialmente quando era preciso proteger tesouros. Imagina, que loucura!


3. Histórias que valem ouro


Talvez pela popularidade da história, talvez porque muita gente gosta de passar medo ou de ler sobre coisas estranhas. Seja lá qual for o motivo, a verdade é que falar sobre mortos-vivos gera uma boa grana! Segundo o site 24/7 Wall St, se juntarmos todos os livros, filmes, séries e demais produtos relacionados aos zumbis, que foram lançados até hoje; é possível chegar a um total superior a 5 bilhões de dólares, só com essa temática.


4. O Haiti e os zumbis

Pelo menos há 100 anos, o lugar mais provável de se encontrar zumbis era o Haiti. Isso porque a região tem a cultura fortemente relacionada ao vudu, além de contar com inúmeras lendas sobre mortos-vivos que rondam as cidades.

Inclusive, muitos habitantes do lugar acreditavam que era possível o fim da humanidade nas mãos (ou nas bocas) dessas criaturas obscuras. Aliás, de acordo com uma reportagem do Discovery Channel, foi a invasão americana no Haiti que levou essas crenças para as produções de Hollywood. 


5. Apocalipse


Sabe aquele medo que a gente fica todas as vezes que vê um filme novo sobre apocalipse zumbi? Pois é, um site americano, chamado Cracked, colocou um ponto final nessa história e mostrou, por meio de um lista de 7 itens, porque seria impossível uma guerra entre os mortos-vivos e os seres humanos.

O melhor argumento usado pelo pessoal que fez a matéria é que os zumbis não aguentariam o calor nem o frio, não iriam se curar de feridas e não teriam a capacidade de escalar montanhas ou de atravessar muitos obstáculos. Assim, talvez a verdade seja que essas se tratem de criaturas feias, asquerosas, obscuras, mas frágeis, incapazes de durar tempo suficiente para que o tal apocalipse zumbi acontecesse algum dia.

Melhor acreditar nessa versão, não é mesmo?




Nenhum comentário:

Postar um comentário