Clique no PLAY para leitura automática do texto:

terça-feira, 30 de novembro de 2010

No lugar certo, no instante exato - Fotografia

NO LUGAR CERTO, NO INSTANTE EXATO




O momento

Ele criou o conceito do "momento decisivo", o instante em que o Universo conspira a favor do artista, a essência de uma situação. O fotógrafo capta o mundo in flagrante, inconsciente do quanto a cena é reveladora - como esta, na Espanha, clicada em 1933

Surrealismo

Começou a fotografar em 1931 influenciado pela percepção do subconsciente dos surrealistas. "Acham que, para ser surrealista, é preciso colocar uma lata de lixo na cabeça", disse certa vez. "Sou o surrealista da realidade" (abaixo, o escritor André de Mandiargues, que flertou com o movimento).

Mudez

Acima, foto do psicanalista Carl Gustav Jung. Faz parte do livro de retratos Tête à Tête, publicado no Brasil pela Companhia das Letras. Bresson pregava que as imagens tinham de ser mudas. Precisavam falar ao coração e aos olhos e não deviam estar ligadas a um texto

Prendendo a respiração

Um dos segredos de seu trabalho era a concentração. Tirar uma foto era organizar as formas visuais para expressar seu significado. "É prender a respiração quando todas as faculdades convergem para a realidade fugaz", afirmava

Proporção áurea

Ele transformou a rude atividade do dia-a-dia em forma artística. Mais: humanizou a geometria, como nesta foto feita no México. "Eu não acredito em Deus", afirmou. "Creio, porém, em fi." Fi é o número grego que representa a proporção áurea, regra matemática que traduz a idéia de harmonia desde a Antiguidade

"O tempo corre e se esvai e somente a morte consegue alcançá-lo. A fotografia é uma lâmina que, na eternidade, captura o momento que a deslumbrou"
Henri Cartier-Bresson

Nenhum comentário:

Postar um comentário