Clique no PLAY para leitura automática do texto:

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Cuba anexada pelos Americanos

E SE... CUBA HOUVESSE SIDO ANEXADA PELOS AMERICANOS?



Não é exagero dizer: a história do mundo mudaria. A começar pela própria ilha, que provavelmente não seria socialista nem teria Fidel Castro como seu dirigente. Antes da revolução cubana de 1959, com o aval de uma emenda constitucional chamada Emenda Platt, os americanos entravam e saíam da ilha quando bem entendiam, controlavam as empresas produtoras de frutas e cana-de-açúcar e se esbaldavam durante o dia nas praias e à noite nos cassinos. Do jeito que as coisas iam, era de se esperar que Cuba se tornasse o 51º estado norte-americano (o país tem 50 estados mais o distrito de Colúmbia) - caso Fidel e seu exército de guerrilheiros não tivessem tomado o poder em 1º de janeiro de 1959.

Se os Estados Unidos tivessem anexado Cuba em meados da década de 50, a guerrilha talvez nem se fizesse necessária. "Os EUA não precisariam manter uma relação colonial com Cuba e a deterioração da sociedade não ocorreria. Assim, as condições materiais não seriam tão ruins a ponto de suscitar um golpe armado", afirma o historiador Newton Duarte Molon, da USP. Além disso, os instrumentos de coerção dos americanos para acabar com qualquer tentativa de guerrilha seriam bem mais fortes.
No contexto mundial, muita coisa mudaria. A União Soviética não teria uma base na América e, portanto, não levaria ogivas nucleares para perto dos Estados Unidos. E o planeta não viveria dias tão tensos quanto os 13 de 1962 conhecidos por Crise dos Mísseis - nos quais a ameaça de uma guerra mundial nuclear nunca foi tão real. Na opinião da pesquisadora Claudia Furiati, autora do livro Fidel Castro, uma Biografia Consentida, a União Soviética ficaria quietinha em seu canto. "Ela jamais se interessou em estimular a revolução nas Américas, porque a ‘repartição’ do mundo em blocos e áreas de influência estava dada", diz. Veja ao lado as possíveis manchetes de um dia qualquer de julho de 2004 no Havana Tribune, o principal jornal diário do estado americano de Cuba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário