Clique no PLAY para leitura automática do texto:

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Cientistas acham lanças feitas com 'tecnologia avançada'



Cientistas acham lanças feitas com 'tecnologia avançada' pré-histórica



Lanças desenvolvidas com a 'tecnologia avançada' de 71 mil anos atrás (Foto: Benjamin Schoville/Divulgação)


Técnica que aumenta alcance das lanças foi desenvolvida há 71 mil anos.
Pesquisa também constatou que técnica era passada entre gerações.

Uma equipe internacional de cientistas encontrou na África do Sul vestígios de uma “tecnologia avançada”, desenvolvida 71 mil anos atrás, que teria revolucionado a produção de armas dos homens pré-históricos.
As lâminas de pedra eram tratadas no fogo de forma que ficavam mais finas e afiadas. Essas lâminas tinham também uma parte cega, que era presa a um pedaço de madeira ou de osso. Com isso, as lanças se tornavam projéteis, que podiam ser atirados com arcos ou propulsores – objetos longos que multiplicam a força do braço para o arremesso.

Com essa tecnologia, esses seres humanos passaram a caçar melhor, pois podiam atingir o animal de uma distância maior, sem correr riscos. Além disso, adquiriram uma vantagem sobre tribos rivais. Os autores acreditam, inclusive, que o domínio da tecnologia possa ter sido um fator importante para que a espécie prevalecesse sobre outros hominídeos, como o homem de Neandertal.

Pesquisas anteriores apontavam que a tecnologia teria surgido por volta de 60 mil anos atrás, mas que teria desaparecido nas gerações seguintes e sido reinventada mais recentemente. O atual estudo desmente essa hipótese, e mostra que a técnica foi repetida ao longo de milhares de anos, uma prova de que ela foi passada de pais para filhos.

Os resultados da pesquisa foram publicados pela versão online revista científica “Nature”. O trabalho foi liderado por Curtis Marean, da Universidade do Estado do Arizona, nos EUA, e teve a participação de especialistas da África do Sul, da Austrália e da Grécia.


Lâminas eram tratadas com fogo (Foto: Simen Oestmo/Divulgação)


Nenhum comentário:

Postar um comentário