Clique no PLAY para leitura automática do texto:

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Como a Espionagem mudou o mundo - Segunda Guerra

COMO A ESPIONAGEM MUDOU O MUNDO - Segunda Guerra.



Popov, Dusko Popov

Conflito: Segunda Guerra Mundial

Quando: 1941

Nações envolvidas: EUA, Japão, Alemanha

Missão: alertar os americanos sobre a intenção japonesa de atacar Pearl Harbor

Arma secreta: Dusko Popov, o espião bon vivant que inspirou James Bond

Estratégia: roubo de dados



Elegante, mulherengo, amante da boa vida. Esse era Dusko Popov, espião iugoslavo que inspirou o escritor inglês Ian Fleming na criação do personagem James Bond. O 007 de verdade também era culto, fluente em diversos idiomas, frio e esperto. Ele fez uma das carreiras mais brilhantes da espionagem internacional graças ao trabalho que realizou no posto reservado aos melhores do mundo: o de agente duplo.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Popov atuava tanto para os nazistas quanto para os aliados. Mas só dava informações quentes aos aliados: os alemães ele enganava.

O ponto alto de sua carreira ocorreu em 1941, quando chegou aos EUA com um relatório dos alemães que trazia em 5 páginas todos os detalhes sobre um iminente ataque a Pearl Harbor. Durante um mês, Popov não obteve nenhuma resposta aos pedidos de encontro com o todo-poderoso do FBI, J. Edgard Hoover - que controlava o serviço secreto (a CIA só seria criada em 1947). Hoover duvidava das informações, dizia que estava tudo redondinho demais, com datas, lugares, nomes, etc.

Quando finalmente se reuniu com Hoover, os dois falaram o diabo um para o outro e saíram sem nada decidido. Para o chefão do FBI, Popov não passava de um bon vivant que estava nos EUA por farra - durante o mês de espera, Popov se esbaldou com belas mulheres e freqüentou os melhores lugares de Nova York. Para o agente secreto, Hoover era um irresponsável que deixaria o próprio país ser atacado.

No dia 7 de setembro, como havia sido adiantado por Popov, os aviões japoneses sobrevoaram a baía de Pearl Harbor, no Havaí, e atacaram a frota de navios do Pacífico, matando 2 235 militares e 68 civis. Popov soube quando voltava de uma viagem ao Brasil.

Até hoje não se sabe direito a razão da apatia do governo americano diante do seu relatório. Os EUA aprenderam a lição de Popov? Não, a julgar pelo atentado ao World Trade Center, que não foi evitado apesar das numerosas pistas levantadas pelo serviço de inteligência.



Dusko Popov arrancou dos nazistas informações sobre um ataque imininente do Japão a uma base dos EUA no Havaí. ...

... Mas os americanos não acreditaram no espião playboy e mulherengo. ...
... Pouco depois, os japoneses bombardeavam Pear Harbor. ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário