Clique no PLAY para leitura automática do texto:

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Vizinhos da Pesada - Zoologia


Vizinhos da Pesada - Zoologia


Uns nunca saíram do país. Outros, ainda que morem longe, fazem questão de ter filhos nas nossas praias. Muitos passam apenas temporadas, mas voltam sempre. Veja aqui o primeiro mapa dos cetáceos (baleias e golfinhos) no Brasil.


Boas notícias. Doze anos depois da proibição da caça aos cetáceos no país, nunca tantas baleias e tantos golfinhos foram vistos nas costas do Brasil. Animais como a baleia-franca, a jubarte e a orca têm aparecido nadando até diante das praias do Rio de Janeiro. Com o mar cheio, biólogos e oceanógrafos de vários Estados reuniram informação suficiente para decifrar o local de moradia e as rotas de migração de quase todas as 34 espécies que passam ou residem por aqui. 


Apesar de volumosos, os bichões não são nada fáceis de acompanhar no meio de tanto mar. Para detectá-los, os pesquisadores usam todos os meios disponíveis: desde aviões que sobrevoam o oceano até a observação de encalhes ou capturas acidentais em redes de pescadores. Mesmo assim, os seis animais mais ariscos (quatro tipos de baleia e dois de golfinho) ainda não foram localizados com precisão. Cruzando as informações existentes, montamos um quadro geral do que já se sabe. Com vocês, pela primeira vez, o mapa de onde residem ou viajam os nossos, às vezes pesados mas quase sempre simpáticos, vizinhos.


Cetáceos - Animal - Artiodátilos



Abram alas que elas querem passar


Desde 1986, quando o Brasil proibiu a caça aos golfinhos, e de 1987, quando a proibição foi estendida às baleias, a turma da pesada vem aumentando. Mas como se sabe isso se ninguém, afinal, fez um censo dos cetáceos? "A resposta exige paciência de monge", diz o oceanógrafo Alexandre Zerbini, do Instituto de Biociência da Universidade de São Paulo. Para inventariar as espécies, os pesquisadores percorrem o litoral de navio, sobrevoam mar aberto, acompanham encalhes e investigam capturas involuntárias de pescadores. O contato visual com o animal, a chamada avistagem, é fundamental. Cada notícia sobre aparecimento de baleias, relatórios de pesca ou observação de navegantes ajuda a montar o mapa. Entre 1975 e 1984 houve cinco encalhes de jubarte em praias brasileiras. Entre 1985 e 1994, o número pulou para trinta. "Esse é um forte indício de que as populações estão se recuperando", explica o biólogo Salvatore Siciliano, do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Das baleias que encalham no Brasil, 31% são jubartes, 30% minkes, 24% francas e 12% brydes. 



Grandes indícios 
"A quantidade de avistagens no mar também aumentou", diz Márcio Martins, pesquisador do Grupo de Estudos de Mamíferos Aquáticos do Rio Grande do Sul (Gemars), que uma vez por mês percorre a costa daquele Estado procurando carcaças na praia. "As baleias francas estão indo mais para o norte, expandindo a área de reprodução", afirma. Recentemente, o Gemars descobriu dois filhotes de franca mortos e encalhados na areia. Tinham cordão umbelical e apenas 5 metros de comprimento. "Eram bebês. Isso indica que mais filhotes estão nascendo na temporada reprodutiva." 

Com exceção da baleia bryde, as baleias misticetas (com barbatanas em lugar de dentes), como a azul, a jubarte e a franca, migram, todo ano. Elas passam o verão austral, de novembro a junho, comendo krill, um pequeno crustáceo da Antártida, enquanto o sol ilumina o Pólo Sul. Quando chega o inverno, buscam águas quentes e rasas para se reproduzir. As jubartes e francas, freqüentemente solitárias, preferem o litoral de Santa Catarina e o Arquipélago de Abrolhos, na Bahia, enquanto a azul, a sei, a fin e a minke nadam em alto-mar. Por isso, os encalhes das espécies de alto-mar nas praias são bem mais raros.



O raro e o comum
Em geral, as baleias e golfinhos odontocetos (com dentes) não migram. São gregários e circulam em grupos, viajando grandes distâncias atrás de cardumes, mas voltando à região de origem. Quando são litorâneos, ocupam áreas restritas, como a já famosa Baía dos Golfinhos, em Fernando de Noronha. Não dá para arriscar um palpite sobre a população de golfinhos. "Eles são muitos e estão por toda parte. Precisaria de um estudo mais aprofundado", diz Ignácio Moreno, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

Há apenas dois tipos de golfinhos de água doce no Brasil: o boto-cor-de-rosa e o boto-cinza ou boto-tucuxi. Ambos vivem na bacia amazônica. "Embora tenha fama de ameaçado, o boto-cor-de-rosa está seguro por enquanto. Sua população é estável", garante a bióloga Vera da Silva, do Laboratório de Mamíferos Aquáticos, do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa), em Manaus. 

Os pesquisadores sofrem, mesmo, é com as espécies misteriosas. O golfinho pontopória é tão arisco que, embora freqüente em águas rasas, quase nunca é visto. "Ele tem a cor do mar, preferem regiões turvas, não salta e se alimenta de peixes no fundo", lamenta-se o biólogo Eduardo Secchi, do Laboratório de Mamíferos Marinhos do Museu Oceanográfico Professor Eliezer Rios, em Rio Grande (RS). O pesquisador que o avista vibra como um acertador da loteria.
 Como mamíferos terrestres viraram baleias e golfinhos.





DA TERRA PARA O MAR

Há 65 milhões de anos
Com o fim dos dinossauros, os mamíferos proliferaram. Um bicho como este, da ordem condylarthtra, foi o ancestral dos cetáceos (baleias e golfinhos), artiodáctilos (hipopótamos e vacas), perissodáctilos (cavalos), probossídeos (elefantes) e sirênios (peixes-boi). Um verdadeiro curinga da Evolução.



Há 50 milhões de anos 
Os mesonichideos, descendentes dos condylarthtra, perderam os pêlos e adaptaram o corpo para caçar peixes em rios e lagos. Ao nadar para o mar, viraram archaeocetos. Tinham dentes, como mamíferos terrestres, e narinas no topo da cabeça. O rabo virou uma potente nadadeira.


Há 28 milhões de anos
Surgiram os cetáceos modernos, divididos em duas subordens: os misticetos (que têm barbatanas em vez de dentes) e os odontocetos (com dentes).


O primo ágil
Cachalotes (baleias com dentes) e golfinhos (também conhecidos como botos) são odontocetos. Sua principal característica é o tamanho pequeno e a extrema agilidade.




 Por que baleias e golfinhos encalham nas praias?


Além de emitir sons para se comunicar - estalos, assobios e cliques - os cetáceos usam-nos para ecolocação: os sons refletem em objetos e retornam como eco, orientando a rota. Têm, também, a capacidade de detectar o campo magnético da Terra, deduzindo a direção norte-sul para migrações. Os encalhes em massa não são suicídios coletivos. Resultam de falhas no sistema de eco, que geram erros fatais de navegação. 






O MAR DOS MAMÍFEROS
Os 7 400 quilômetros da costa do Brasil são habitados por 32 espécies de cetáceos - baleias, golfinhos, todos mamíferos. Além dessas, há mais duas espécies de golfinhos fluviais, que são os botos da bacia amazônica. Neste pôster inédito, preparado com exclusividade, você pode conhecer todas. A área exata do hábitat de cada espécie está indicada nos mapas menores. Acompanhe também o roteiro anual das baleias migratórias.



Golfinho-comum (Delphinus delphis)
Tamanho: 2,3 metros
Peso: 75 quilos


Boto-cinza (Tucuxi) (Sotalia fluviatilis)
Tamanho: 1,7 metros
Peso: 40 quilos


Boto-cor-de-rosa (Inia geoffrensis)
Tamanho: 2 metros
Peso: 140 quilos


Baleia-de-bryde (Balaenoptera edeni)
Tamanho: 13,7 metros
Peso: 18 toneladas


Golfinho-cabeça-de-melão (Peponocephala electra)
Tamanho: 2,4 metros
Peso: 160 quilos


Golfinho-flíper (Tursiops truncatus)
Tamanho: 2,5 metros
Peso: 300 quilos


Boto-cinza marinho (Sotalia fluviatilis)
Tamanho: 1,7 metros
Peso: 40 quilos


Falsa-orca (Pseudorca crassidens)
Tamanho: 5 metros
Peso: 2 toneladas


Golfinho-pintado-do-atlântico (Stelenna frontalis)
Tamanho: 2 metros
Peso: 90 quilos


Golfinho-pontopória (Pontoporia blainvillei)
Tamanho: 1,3 metro
Peso: 45 quilos


Orca (Orcinus orca)
Tamanho: 8 metros
Peso: 7 toneladas


Boto-de-burmeister (Phocoena spinipinnis)
Tamanho: 1,5 metro
Peso: 60 quilos


Golfinho-rotador (Stenella longirostris)
Tamanho: 2 metros
Peso: 75 quilos


Golfinho-de-dentes-rugosos (Steno bredanensis)
Tamanho: 2,4 metros
Peso: 140 quilos


Baleia-piloto-de-aleta-longa (Globicephala melas)
Tamanho: 6 metros
Peso: 3,5 toneladas


Baleia-bicuda-de-cabeça-plana-do-sul (Hyperoodon planifrons)
Tamanho: 7 metros
Peso: 3,5 toneladas


Cachalote-anão (Kogia simus)
Tamanho: 2,3 metros
Peso: 200 quilos


Golfinho-clímene (Stenella clymene)
Tamanho: 2 metros
Peso: 79 quilos


Baleia-piloto-de-aleta-curta (Globicephala macrorhynchus)
Tamanho: 5,5 metros
Peso: 3 toneladas


Golfinho-de-risso (Grampus griseus)
Tamanho: 3 metros
Peso: 600 quilos


Cachalote (Physeter macrocephalus)
Tamanho: 16 metros
Peso: 45 toneladas


Cachalote-pigmeu (Kogia breviceps)
Tamanho: 2,7 metros
Peso: 300 quilos


Baleia-bicuda-de-cuvier (Ziphius cavirostris)
Tamanho: 7 metros
Peso: 3 toneladas


Baleia-bicuda-de-gray (Mesoplodon grayi)
Tamanho: 4,5 metros
Peso: 1 tonelada


Baleia-bicuda-de-blainville (Mesoplon densirostris)
Tamanho: 4 metros
Peso: 1 tonelada


Golfinho-pintado-tropical (Stenella attenuata)
Tamanho: 2 metros
Peso: 100 quilos


Golfinho-listrado (Stenella coeruleoalba)
Tamanho: 2,3 metros
Peso: 120 quilos


Golfinho-de-fraser (Lagenodelphis hosei)
Tamanho: 2 metros
Peso: 170 quilos




AS MIGRAÇÕES
As baleias franca e jubarte passam o verão na Antártida e o inverno nas costas de Santa Catarina e do Nordeste. As baleias azul, fin, sei e minke também saem da Antártida, no inverno, em busca de águas mais quentes, mas nadam no meio do Oceano Atlântico.



Baleia-jubarte (Megaptera novaeangliae)
Tamanho: 14 metros
Peso: 30 toneladas


Baleia-franca (Eubalaena australis)
Tamanho: 15 metros
Peso: 100 toneladas



Baleia-azul (Balaenoptera musculus)
Tamanho: 30 metros
Peso: 140 toneladas


Baleia-minke (Balaenoptera acutorostrata)
Tamanho: 8 metros
Peso: 8 toneladas


Baleia-sei (Balaenoptera borealis)
Tamanho: 17 metros
Peso: 25 toneladas


Baleia-fin (Balaenoptera physalus)
Tamanho: 22 metros
Peso: 75 toneladas



Usamos dados e informações de vários institutos e pesquisadores para elaborar este mapa. Contribuíram para este trabalho: Alexandre Zerbini, do Instituto de Biociência da Universidade de São Paulo; Salvatore Siciliano, do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro; Márcio Martins, do Grupo de Estudos de Mamíferos Aquáticos do Rio Grande do Sul; Ignácio Moreno, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Vera da Silva, do Laboratório de Mamíferos Aquáticos, do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia; Eduardo Secchi, do Laboratório de Mamíferos Marinhos do Museu Oceanográfico Professor Eliezer Rios, em Rio Grande (RS); Bia Hetzel e Liliane Lodi, autoras do livro Baleias, Botos e Golfinhos: Guia de Identificação para o Brasil (Editora Nova Fronteira, 1993). Ilustrações Newton Verlangieri.


Cetáceos da Baía da Ilha Grande



Três grandes radiações - Evolução dos Cetáceos



Leia também:

01 - Russo sacaneia empresa de cartão de crédito e se dá bem

02 - NOTICIAS DO DIA: 03 DE FEVEREIRO DE 2015 - REDES SOCIAIS

03 - Fim de ano: um texto para reflexão.

04 - Árvore resiste no meio de milhares de pneus usados na França

05 - Impacto de crise da água é o mais temido por elite mundial

06 - 9 massacres interrompidos por cidadãos armados

07 - Arqueólogos descobrem relíquia que pode conter pedaço da cruz de Jesus

08 - Da Flecha a Bola - O Esporte

09 - Medo de Avião - Aviação

10 - Longa vida aos moços - Biologia



COMPARTILHAR NO FACEBOOK:
http://bit.ly/29N4G84


COMPARTILHAR NO TWITTER:
http://bit.ly/29BNtyN



CHAT DO BLOG - http://bit.ly/2cWL4j4
www.publicadosbrasil.blogspot.com
Publicados Brasil no YouTube
http://bit.ly/1zIu2s4
http://num.to/6944-5525-7037


01 - 11 clássicos do MS-DOS para jogar - http://bit.ly/1P3vIVn
02 - Imagina ter 900 games de Arcade - http://bit.ly/1J25y0W
03 - Jogando NES OnLine - http://bit.ly/1M4IdTh
04 - 1.185 jogos de Mega Drive - http://bit.ly/1GSTaj2
05 - Ler Scans e Quadrinhos Digitais - Um mundo DIGITAL - http://bit.ly/2cYfdkS
06 - Poeira das Estrelas - Documentário - http://bit.ly/2eLj1ni
07 - Retrô - Relembre as caixas de videogames e jogos lançados no Brasil - http://bit.ly/2hDNdEi
08 - Cachorro-quente no espetinho - Lanche da tarde - http://bit.ly/2lwFSEJ
09 - Coleção Saiba Mais - Completa - http://bit.ly/2lBVIyO
10 - Compilação de 4226 Postagens - 16/02/2017 - http://bit.ly/2lZYwoQ
11 - Literatura Clássica Brasileira - LIVROS ONLINE - http://bit.ly/2ne9ngz
12 - As 5564 Cidades do Brasil - http://bit.ly/2mykDTg
13 - JogosRBL4 - Jogos Retro grátis no seu PC - http://bit.ly/2uLgDHd
14 - JogosRBL6 -Agora com Playstation One - http://bit.ly/2gjEatl
15 - 945 Filmes Legendados - Coleção Setembro de 2017 - http://bit.ly/2wOM0Ra
16 - Coleção 656 CD-ROM's - Outubro de 2017 - http://bit.ly/2AiD72n
17 - Playstation One Collection - 1391 Games - http://bit.ly/2FkMp3I

http://bit.ly/1zIu2s4

http://num.to/6944-5525-7037



Nenhum comentário:

Postar um comentário