Clique no PLAY para leitura automática do texto:

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Hitler e seu exército eram viciados em drogas pesadas


Hitler e seu exército eram viciados em drogas pesadas


Um pesquisador da história do nazismo revelou o importante papel que as drogas pesadas tiveram tanto nos altos escalões do exército quanto nos soldados da Alemanha nazista. 


O nome do estudo publicado por Norman Ohler se chama “'Der totale Rausch: Drogen im Dritten Reich” (“Euforia total: As drogas no Terceiro Reich”, na tradução) e é um trabalho que mostra como os medicamentos à base de drogas pesadas foram cruciais para alguns dos êxitos militares do nazismo. 

De acordo com a pesquisa, a estrutura interna do nazismo era repleta de médicos e drogas, nas quais Hitler foi viciado, chegando a consumir mais de 74 diferentes tipos ao longo de sua vida. 

Hitler teria começado a se interessar pelas drogas através de seu médico pessoal, Theodor Morell, em 1936. Segundo Ohler, foi esse médico quem prescreveu o uso de Mutaflor para aliviar as dores estomacais do líder nazista. 

A partir daí, Morell passou a prescrever as drogas mais fortes da época para Hitler, incluindo injeções intravenosas de metanfetamina, que começou a ter grande influência sobre seu humor. 


O pesquisador acredita que Hitler esteve sob o efeito de drogas durante praticamente toda a Segunda Guerra, um fato que ajudaria a compreender várias peculiaridades de seu comportamento, como a verborragia excessiva, mudanças repentinas no seu humor e uma série de decisões dificilmente explicáveis. 

O Terceiro Reich também não escapou da tendência mundial do consumo de estimulantes à base de metanfetaminas, que, na Alemanha, foram popularizados através de um remédio conhecido como Pervitin, de uso legal e prescrito para tratamentos contra o estresse. 

Os principais usuários do Pervitin foram os militares, de todas as patentes, que usavam a droga para aliviar o cansaço, ter uma sensação de invencibilidade eufórica e um aumento considerável do seu desempenho. 

O exército alemão recebeu milhões de pílulas de metanfetamina somente no primeiro semestre de 1940 e as utilizou nas campanhas militares contra a França e a União Soviética. No entanto, os efeitos colaterais incluem um alto nível de dependência e a alteração do comportamento moral entre as tropas.



Fonte: RT



Nenhum comentário:

Postar um comentário