Clique no PLAY para leitura automática do texto:

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

5 dados essenciais para entender a cultura maia


5 dados essenciais para entender a cultura maia


Os maias possuíam um incrível conhecimento em medicina, bruxaria, plantas alucinógenas e também faziam alguns rituais que deformavam corpos para atender seus padrões sociais. 


Essa esplêndida civilização que instiga a curiosidade de fãs e pesquisadores até os dias de hoje formou uma das sociedades mais evoluídas da América pré-colombiana. Muitas cidades maias atingiram o seu mais elevado estado de desenvolvimento durante o período clássico (250 d.C. a 900 d.C.). Veja a seguir cinco dados essenciais para compreender essa cultura.


Medicina: Os maias foram ótimos médicos. A medicina estava nas mãos de poucos xamãs, formados tanto em ciência médica quanto em bruxaria. Eles suturavam feridas com cabelo humano, curavam fraturas e dominavam técnicas odontológicas complexas.

Curandeiro Maia


Calendários: Não tinham um só calendário, mas vários interconectados. Sua ampla compreensão astronômica lhes permitiu desenvolver uma medição do tempo extremamente precisa.

Calendário Maia


Desaparecimento: O desaparecimento do povo maia continua sendo um dos maiores mistérios da história. Embora haja provas suficientes para fazer crer que foi a escassez de recursos naturais que os levou à extinção, ainda não há consenso acadêmico a respeito.

Mapa


Infância: as crianças maias eram nomeadas segundo o dia em que nasciam. Além disso, eram feitas intervenções em seus corpos, como esmagar a testa ou provocar a vesguice, para modificar a fisionomia natural de acordo com os padrões sociais de perfeição.

Mascara para crianças dos Maia


Plantas sagradas: Vários alucinógenos, como o peiote e diversos fungos psicoativos, eram utilizados tanto em rituais religiosos quanto no cotidiano. Muitas plantas eram consideradas sagradas por sua capacidade de conectar o mundo terreno com o mundo dos espíritos. 




Fonte: Super Curioso





Nenhum comentário:

Postar um comentário