Clique no PLAY para leitura automática do texto:

sábado, 12 de novembro de 2016

Como a pirataria ajudou a criar a cultura de games no Brasil


Como a pirataria ajudou a criar a cultura de games no Brasil


Falar sobre a história dos videogames no Brasil é falar de um assunto um pouco delicado: a pirataria. Não dá para explicar como os jogos se popularizaram por aqui sem entrar nesse tema: seja por versões não autorizadas de consoles ou arcades, ou emuladores, ou mesmo cópias ilegais de jogos, muita gente só conheceu e se apaixonou por games por causa da pirataria.


Paralelos, uma série de três episódios da Red Bull, conta um pouco dessa história. Desde fliperamas modificados até pacotes que adicionam jogadores brasileiros em jogos de futebol, a cultura de jogos só se desenvolveu no Brasil por causa da pirataria, e os vídeos contam um pouco da história das pessoas envolvidas diretamente nesse mercado.

Pirataria no BRASIL chega a todos os cantos


Dirigida pelo jornalista Pedro Falcão e pelo cineasta Hugo Haddad, Paralelos conta, entre outras coisas, como a Taito trouxe diversos clássicos do arcade para o Brasil nas décadas de 70 e 80; como a Tectoy fez um jogo brasileiro a partir de outro jogo japonês; e como a Gradiente introduziu os brasileiros ao Nintendinho através do Phantom System para depois passar a representar oficialmente a Nintendo no Brasil.

Campeões de Pirataria - Softwares em geral, tanto programas como jogos



Cada vídeo tem cerca de sete minutos, e você pode conferir tudo no site da Red Bull.

Fonte: RED BULL







Nenhum comentário:

Postar um comentário