Clique no PLAY para leitura automática do texto:

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Para vigiar a floresta - Tecnologia


Para vigiar a floresta - Tecnologia


Depois de cinco séculos de abandono e 530 000 quilômetros quadrados de floresta queimados - uma área equivalente à da França -, depois do tráfico de drogas e das mineradoras ilegais, chegou a hora. Já é tempo de vigiar a Amazônia.


Apesar do atraso, o Sivam (Sistema de Vigilância da Amazônia) deslanchou. A idéia original era montar um sistema de controle de tráfego aéreo para a região, por onde passam 300 000 vôos por ano orientados só por instrumentos de bordo, o que é  arriscado. Mas, diante das ameaças sobre o ambiente e de muita violação das leis, o projeto cresceu. Agora, o que vem por aí é um sistema único. Se der certo, o Brasil terá uma parafernália de vigilância sem igual.

Amazônia - Floresta no Amazonas


Desde a proposta, em 1990, foram sete anos de controvérsia. Mas, agora, a implantação já começou. "Serão cinco satélites, 25 radares e centenas de instrumentos meteorológicos e sensores", conta Tarcísio Muta, da empresa Atech, que faz o software do sistema. "Tudo isso, sincronizado, vai dar informações a órgãos como o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama)." Só o sensor Erieye, uma das estrelas do Sivam, enxergará até 2 metros abaixo do chão e 50 metros debaixo d’água.


Mapa da ecorregião amazônica definida pelo WWF


Uma vasta massa de dados metereológicos, geológicos, hidrológicos e ambientais será coletada regularmente e repassada. Cerca de 1 000 órgãos de governo, instituições de pesquisa e organizações não-governamentais vão se beneficiar.


A Polícia Federal não sabe exatamente quantas pistas clandestinas existem na região, mas  passam de 700. Servem a contrabandistas, traficantes de drogas e donos de garimpos ilegais.


O desmatamento da Amazônia já chegou a 530 000 quilômetros quadrados, 13% da área de floresta. Metade foi devastado ilegalmente por pecuaristas, agricultores e madeireiros.




Por ano, são extraídos 28 milhões de metros cúbicos de madeira. O suficiente para encher 3 milhões de caminhões. Mais da metade é retirada contra a lei por madeireiras clandestinas.




Só em 1997, entre junho e novembro, foram registrados, diariamente, mais de 1 000 focos de queimada. As regiões mais afetadas são o nordeste e sudeste do Pará, o norte de Mato Grosso e Rondônia.




Mas ainda é preciso esperar até o ano 2002
Desde outubro, pesquisadores da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia (COPPE), da Universidade Federal do Rio de Janeiro, estudam, in loco, os melhores lugares para colocar os equipamentos na selva, protegendo-os das condições ambientais. Os radares serão instalados no ano 2000, pela multinacional Raytheon. Sim, a Raytheon é aquela mesma do escândalo que tomou conta dos jornais em 1995. Foi tanto que, no final daquele ano, funcionários do governo e o ministro da Aeronáutica, Mauro Gandra, demitiram-se sob acusações de favorecimento à empresa. Aí, uma comissão do Senado investigou o contrato durante seis meses. Em maio de 1996, afinal, ele foi aprovado.

Cientistas brasileiros notáveis, como o físico Rogério Cerqueira Leite e o ex-presidente do Conselho Nacional de Pesquisas, Aldo Vieira da Rosa, protestaram contra a pouca participação de empresas nacionais no projeto. Mas o major Marcos Antônio de Oliveira, presidente da Comissão Coordenadora do Sivam, defendeu, para a SUPER, a decisão: "O nosso parque industrial infelizmente não produz equipamentos de ponta como o projeto requer". O custo do Sivam, 1,4 bilhão de dólares, engrossa a polêmica. É muito dinheiro - mas também é muita tecnologia. Agora, vamos ver se ela vai dar conta do recado.



Para saber mais

Na Internet



Três elogios e três críticas


"Nós, do Ibama, somos uma espécie de garoto-propaganda do Sivam. Com sua implantação, além das queimadas poderemos conferir até a exploração seletiva de madeira, o corte só de árvores nobres."
Eduardo Martins, presidente do Ibama

"Sou amplamente favorável ao projeto. O Sivam seria desnecessário se a Amazônia não sofresse um processo de exploração predatória."
Márcio Nogueira Barbosa, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

"O uso de equipamentos eletrônicos de última geração é a única saída recomendável para controlar uma região tão grande."
Fernando Gabeira, deputado federal do Partido Verde (RJ)



"O projeto não deveria ser tocado por uma empresa americana e financiado por banco americano. Deixaram que os economistas tomassem conta do Sivam." 
Luiz Pinguelli Rosa, diretor da COPPE

"O sistema peca por não se preocupar com a educação do povo da região, sem o qual é impossível fazer uma defesa muito eficiente."
Sérgio Ferreira, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência

"A tecnologia não basta. As prioridades são a implementação de uma política agroflorestal, uma de desenvolvimento econômico e um zoneamento ecológico."
Marina Silva, senadora do Partido dos Trabalhadores (AC)



Muitos olhos e ouvidos


A novidade do Sivam é conjugar informações recolhidas por várias fontes. A "conversa" entre os equipamentos vai facilitar a rotina de quem protege a Amazônia - e infernizar o dia-a-dia dos criminosos.


Sinal de fumaça
Os responsáveis pelo Sivam prometem que mais de 1 000 pesquisadores receberão, de graça, laptops equipados com modem para alimentar o banco de dados do sistema e enviar alarme sobre fumaça na selva. Os aviões de sensoriamento também detectam os focos de calor das queimadas.




Água suja
Uma área desmatada perto do rio é esquadrinhada pelos satélites. Ali perto, plataformas de coleta de dados instaladas no rio detectam uma quantidade anormal de partículas estranhas na água. Processando os dados, descobre-se que a sujeira do rio vem de um garimpo ilegal.





Mira orbital
Satélites como o Landsat e o Radarsat fotografam uma área e registram desmatamento. Na mesma região, sensores de comunicação interceptam ondas de rádio e detectam movimentação de barcos. Para o Ibama, isso faz soar o alarme. Pode ser um transporte ilegal de madeira. 





Ondas de rádio
Radares em terra e em aviões de vigilância descobrem os teco-tecos que circulam baixo, a serviço do crime. A comunicação por rádio é interceptada. Os satélites localizam as pistas clandestinas. Avisada de uma suspeita de tráfico de drogas, a Polícia Federal pode agir com rapidez.





Leia também:

Redomas de Calor - Climatologia

NUM PISCAR DE LETRAS - Leitura Dinâmica

A Primeira Guerra Mundial, mesmo - Cruzadas



COMPARTILHAR NO FACEBOOK:
http://bit.ly/29N4G84


COMPARTILHAR NO TWITTER:
http://bit.ly/29BNtyN



CHAT DO BLOG - http://bit.ly/2cWL4j4
www.publicadosbrasil.blogspot.com
Publicados Brasil no YouTube
http://bit.ly/1zIu2s4
http://num.to/6944-5525-7037


01 - 11 clássicos do MS-DOS para jogar - http://bit.ly/1P3vIVn
02 - Imagina ter 900 games de Arcade - http://bit.ly/1J25y0W
03 - Jogando NES OnLine - http://bit.ly/1M4IdTh
04 - 1.185 jogos de Mega Drive - http://bit.ly/1GSTaj2
05 - Ler Scans e Quadrinhos Digitais - Um mundo DIGITAL - http://bit.ly/2cYfdkS
06 - Poeira das Estrelas - Documentário - http://bit.ly/2eLj1ni
07 - Retrô - Relembre as caixas de videogames e jogos lançados no Brasil - http://bit.ly/2hDNdEi
08 - Cachorro-quente no espetinho - Lanche da tarde - http://bit.ly/2lwFSEJ
09 - Coleção Saiba Mais - Completa - http://bit.ly/2lBVIyO
10 - Compilação de 4226 Postagens - 16/02/2017 - http://bit.ly/2lZYwoQ
11 - Literatura Clássica Brasileira - http://bit.ly/2ne9ngz
12 - As 5564 Cidades do Brasil - http://bit.ly/2mykDTg
13 - JogosRBL4 - Jogos Retro grátis no seu PC - http://bit.ly/2uLgDHd
14 - JogosRBL6 -Agora com Playstation One - http://bit.ly/2gjEatl
15 - 945 Filmes Legendados - Coleção Setembro de 2017 - http://bit.ly/2wOM0Ra
16 - Coleção 656 CD-ROM's - Outubro de 2017 - http://bit.ly/2AiD72n

http://bit.ly/1zIu2s4

http://num.to/6944-5525-7037


C=587.739


Nenhum comentário:

Postar um comentário