Clique no PLAY para leitura automática do texto:

sábado, 3 de agosto de 2013

UE e China entram em acordo para importação de painéis solares


UE e China entram em acordo para importação de painéis solares


Europa entrou em acordo com produtores chineses quanto ao preço de painéis solares

Decisão foi adotada com apoio 'quase unânime' dos Estados-membros.
Fabricantes europeus acusavam a China de se beneficiar de subsídios.



A Comissão Europeia acendeu a luz verde nesta sexta-feira (2) para que o acordo com a China sobre a importação de painéis solares do país asiático. A previsão é que este acerto passe a valer a partir da próxima semana.

A decisão foi adotada com apoio “quase unânime” dos Estados-membros, informou a comissão em um comunicado. Os termos oficiais desta negociação serão publicados neste sábado no Diário Oficial da União Europeia e entrarão em vigor na próxima terça-feira.

O tratado firmado pelo comissário encarregado pelo Comércio, Karel De Gucht, e autoridades chinesas prevê o desaparecimento de medidas impostas pela UE aos produtos chineses. Em contrapartida, os fabricantes chineses comprometem-se a respeitar um preço mínimo de geração de energia que será estipulado.

As cláusulas do acordo são confidenciais, mas, de acordo com a agência de notícias France Presse, o preço mínimo por watt que cada painel produzirá será de US$ 0,56. Um terço dos fabricantes chineses não aceitaram a negociação.

Entenda o caso
Fabricantes de painéis solares europeus acusam a China de se beneficiar dos enormes subsídios estatais, que lhe permitiu exportar para a Europa painéis solares de baixo custo no valor de 21 bilhões de euros (cerca de US$ 28 bilhões), tirando empresas europeias do negócio.

Outras indústrias europeias que acusaram a China de "dumping" tiveram que lidar com importações de cerca de 1 bilhão de euros (R$ 3,45 bilhões) por ano.

A Europa planejava impor tarifas pesadas a partir de 6 de agosto, mas, receosa de ofender os líderes chineses e perder negócios na segunda maior economia do mundo, uma maioria de governos da UE, encabeçados pela Alemanha, se opôs ao plano, que levou ao acordo com concessões.



Nenhum comentário:

Postar um comentário