Clique no PLAY para leitura automática do texto:

sábado, 16 de junho de 2018

FARÓIS - PARTE 2 DE 2 - CRUZ E SOUSA


FARÓIS - PARTE 2 DE 2 - CRUZ E SOUSA


     Luxúrias de virgens mortas
     Das tumbas rasgam as portas.

(SEGUE ABAIXO A PARTE FINAL DESTA OBRA)     


     Andam torvos pesadelos
     Arrepiando os cabelos.
     

     Coalha nos lodos abjetos
     O sangue roxo dos fetos.
     

     Há rios maus, amarelos
     De presságio de flagelos.
     

     Das vesgas concupiscências
     Saem vis fosforescências.
     

     Os remorsos contorcidos
     Mordem os ares pungidos.
     

     A alma cobarde de Judas
     Recebe expressões comudas.
     

     Negras aves de rapina
     Mostram a garra assassina.
     


[Linha 2350 de 4636 - Parte 2 de 2]



     Sob o céu que nos oprime
     Languescem formas de crime.
     

     Com os mais sinistros furores,
     Saem gemidos das flores.
     

     Caveiras! Que horror medonho!
     Parecem visões de um sonho!
     

     A morte com Sancho Panca,
     Grotesca e trágica dança.
     

     E como um símbolo eterno,
     Ritmos dos Ritmos do inferno.
     

     No lago morto, ondulando,
     Dentre o luar noctivagando,
     

     O corvo hediondo crocita
     Da sombra d'Iago maldita!
     
     

                             índice

     
     

     RESSURREIÇÃO
     

     Alma! Que tu não chores e não gemas,
              Teu amor voltou agora.
     Ei-lo que chega das mansões extremas,
              Lá onde a loucura mora!
     

     Veio mesmo mais belo e estranho, acaso,
             Desses lívidos países,
     Mágica flor a rebentar de um vaso
              Com prodigiosas raízes.
     



[Linha 2400 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Veio transfigurada e mais formosa
             Essa ingênua natureza,
     Mais ágil, mais delgada, mais nervosa,
              Das essências da Beleza.
     

     Certo neblinamento de saudade
             Mórbida envolve-a de leve...
     E essa diluente espiritualidade
              Certos mistérios descreve.
     

     O meu Amor voltou de aéreas curvas,
             Das paragens mais funestas...
     Veio de percorrer torvas e turvas
              E funambulescas festas.
     

     As festas turvas e funambulescas
              Da exótica Fantasia,
     Por plagas cabalísticas, dantescas,
                  De estranha selvageria.
     

     Onde carrascos de tremendo aspecto
              Como astros monstros circulam
     E as meigas almas de sonhar inquieto
              Barbaramente estrangulam.
     

     Ele andou pelas plagas da loucura,
              O meu Amor abençoado,
     Banhado na poesia da Ternura,
              No meu Afeto banhado.
     

     Andou! Mas afinal de tudo veio
              Mais transfigurado e belo,
     Repousar no meu seio o próprio seio
              Que eu de lágrimas estréio.
     

     De lágrimas de encanto e ardentes beijos,
              Para matar, triunfante,
     A sede ideal de místico desejo
              De quando ele andou errante.
     

     E lágrimas, que enfim, caem ainda
              Com os mais acres dos sabores


[Linha 2450 de 4636 - Parte 2 de 2]


     E se transformam (maravilha infinda!)
              Em maravilhas de flores!
     

     Ah! que feliz um coração que escuta
              As origens de que é feito!
     E que não é nenhuma pedra bruta
              Mumificada no peito!
     

     Ah! que feliz um coração que sente
              Ah! tudo vivendo intenso
     No mais profundo borbulhar latente
              Do seu fundo foco imenso!
     

     Sim! eu agora posso ter deveras
              Ironias sacrossantas...
     Posso os braços te abrir, Luz das esferas,
              Que das trevas te levantas.
     

     Posso mesmo já rir de tudo, tudo
              Que me devora e me oprime.
     Voltou-me o antigo sentimento mudo
              Do teu olhar que redime.
     

     Já não te sinto morta na minh'alma
              Como em câmara mortuária,
     Naquela estranha e tenebrosa calma
              De solidão funerária.
     

     Já não te sinto mais embalsamada
              No meu carinho profundo,
     Nas mortalhas da Graça amortalhada,
              Como ave voando do mundo.
     

     Não! não te sinto mortalmente envolta
              Na névoa que tudo encerra...
     Doce espectro do pó, da poeira solta
              Deflorada pela terra.
     

     Não sinto mais o teu sorrir macabro
              De desdenhosa caveira.
     Agora o coração e os olhos abro
              Para a Natureza inteira!


[Linha 2500 de 4636 - Parte 2 de 2]


     

     Negros pavores sepulcrais e frios
              Além morreram com o vento...
     Ah! como estou desafogado em rios
              De rejuvenescimento!
     

     Deus existe no esplendor d'algum Sonho,
              Lá em alguma estrela esquiva.
     Só ele escuta o soluçar medonho
              E torna a Dor menos viva.
     

     Ah! foi com Deus que tu chegaste, é certo,
              Com a sua graça espontânea
     Que emigraste das plagas do Deserto
              Nu, sem sombra e sol, da Insânia!
     

     No entanto como que volúpias vagas
              Desses horrores amargos,
     Talvez recordação daquelas plagas
             Dão-te esquisitos letargos...
     

     Porém tu, afinal, ressuscitaste
             E tudo em mim ressuscita.
     E o meu Amor, que repurificaste,
              Canta na paz infinita!
     
     

                             índice

     
     

     ENLEVO
     

     Da doçura da Noite, da doçura
     De um tenro coração que vem sorrindo,
     Seus segredos recônditos abrindo
     Pela primeira vez, a luz mais pura.
     

     Da doçura celeste, da ternura
     De um Bem consolador que vai fugindo
     Pelos extremos do horizonte infindo,


[Linha 2550 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Deixando-nos somente a Desventura.
     

     Da doçura inocente, imaculada
     De uma carícia virginal da Infância,
     Nessa de rosas fresca madrugada.
     

     Era assim tua cândida fragrância,
     Arcanjo ideal de auréola delicada,
     Visão consoladora da Distância...
     
     

                             índice
     
     
     

     PIEDOSA
     A Nestor Vitor
     

     Não sei por que, magoada Flor sem glória,
     A tua voz de trêmula meiguice
     Desperta em mim a mocidade flórea
     De sentimentos que não tem velhice.
     

     Guslas de um céu remotamente mudo
     Gemem plangentes nessa voz que voa
     E através dela, abençoando tudo,
     Um luar de perdões desabotoa.
     

     Vejo-te então sublimemente triste
     E excelsa e doce, num anseio lento,
     Vagando como um ser que não existe,
     Transfigurada pelo Sofrimento.
     

     Mas, não sei como, vejo-te por brumas,
     Além da de ouro constelada Porta,
     Na ondulação das lívidas espumas,
     Morta, já morta, muito morta, morta...
     

     E sinto logo esse supremo e sábio
     Travo da dor, se morta te antevejo,
     Essa macabra contração de lábio


[Linha 2600 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Que morde e tantaliza o meu desejo.
     

     Fico sempre a cismar, se tu morresses
     Que angustia fina me laceraria,
     Que músicas de céus saudosos, desses
     Céus infinitos sobre mim fluiria...
     

     Que anjos brancos soberbos, deslumbrantes,
     Resplandecentes nos broqueis das vestes,
     Claros e altos voariam flamejantes
     Para buscar-te, dos Azuis Celestes.
     

     Sim! Sim! Pois então tanta e atroz fadiga,
     Tanta e tamanha dor convulsa e cega
     Há de ficar sem doce luz amiga,
     Da lágrima dos céus, que tudo rega?!
     

     As batalhas cruéis do sacrifício,
     As transfigurações dos teus calvários,
     Essas virtudes, rolarão com o vício
     Pelos mesmos abismos tumultuários?!
     

     Toda a obscura pureza dos teus feitos,
     A tua alma mais simples do que a água,
     Essa bondade, todos os eleitos
     Sentimentos que tens de flor da Mágoa;
     

     Nada se salvará jamais, mais nada
     Se salvará, no instante derradeiro?!
     Ó interrogação desesperada,
     Errante, errante pelo mundo inteiro!
     

     Nada se salvará da essência viva
     Que tudo purifica e refloresce;
     De tanta fé, de tanta luz altiva
     De tanta abnegação, de tanta prece?!
     

     Nada se salvará, piedosa e pobre
     Flor desdenhada pelo Mal ufano,
     Só o meu coração e verso nobre
     Hão de abrigar-te do desprezo humano.
     


[Linha 2650 de 4636 - Parte 2 de 2]



     Na transcendência do teu ser, tão alta,
     Vejo dos céus como que os dons, a esmola,
     O indefinido que de ti ressalta
     Me prende, me arrebata e me consola.
     

     E sinto que a tua alma desprendida
     Do terrestre, do negro labirinto
     Melhor há de adorar-me na outra
     Vida Melhor sentindo tudo quanto eu sinto.
     

     Porque não é por sentimento vago,
     Nem por simples e vã literatura,
     Nem por caprichos de um estilo mago
     Que sinto tanto a tua essência pura.
     

     Não é por transitória veleidade
     E para que o mundo reconheça,
     Que sinto a tua cândida Piedade,
     As auréolas de Luz dessa cabeça.
     

     Não é para que o mundo te proclame
     Maravilha das mártires, das santas
     Que eu digo sempre ao meu Amor que te ame
     Mesmo através de tantas ânsias, tantas.
     

     Nem é também para que o mundo creia
     Na humilde limpidez da tua alma justa,
     Que o mundo, vil e vão, desdenha e odeia
     Toda a humildade, toda a crença augusta.
     

     Mas sinto porque te amo e te acompanho
     Pelas montanhas de onde sóis saudosos
     Clarões e sombras de um mistério estranho
     Espalham, como adeuses carinhosos.
     

     Sinto que te acompanho, que te sigo
     Tranqüilo, calmo desses vãos rumores
     E que tu vais embalada comigo,
     Na mesma rede de carinho e dores.
     

     Sinto os segredos do teu corpo amado,


[Linha 2700 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Toda a graça floral, a graça breve,
     Todo o composto lânguido, alquebrado
     Do teu perfil de áureo crescente leve.
     

     Sinto-te as linhas imortais do flanco,
     E as ondas vaporosas dos teus passos
     E todo o sonho castamente branco
     Da volúpia celeste desses braços.
     

     Sinto a muda expressão da tua boca
     Feita num doce e doloroso corte
     De beijo dado na veemência louca
     Dos céus do gozo entre o estertor da morte.
     

     Sinto-te as nobres mãos afagadoras,
     Riquezas raras de um valor secreto
     E mãos cujas carícias redentoras
     São as carícias do supremo Afeto.
     

     Sinto os teus olhos fluidos, de onde emerge
     Uma graça, uma paz, tamanho encanto,
     Tão brando e triste, que a minha alma asperge
     Em suavíssimos bálsamos de pranto.
     

     Uns olhos tão etéreos, tão profundos,
     De tanta e tão sutil delicadeza
     Que parecem viver lá n'outros mundos,
     Longe da contingente Natureza.
     

     Olhos que sempre no tremendo choque
     Dos sofrimentos íntimos, latentes,
     Tem esse toque amigo, o velho toque
     Original das lágrimas ardentes.
     

     Ah! sÓ eu vejo e sinto esse desvelo
     Que transfigura e faz o teu martírio,
     O sentimento amargurado e belo
     Que e já, talvez, quase mortal delírio...
     

     Sinto que a mesma chama nos abraça,
     Que um perfume eternal, casto, esquisito,
     Circula e vive com divina graça


[Linha 2750 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Dentro do nosso trêmulo Infinito.
     

     E tudo quanto me sensibiliza,
     Fere, magoa, dilacera, punge,
     Tudo no teu olhar se cristaliza,
     No teu olhar, no teu olhar que unge.
     

     Sinto por ti o mais febril e intenso
     Carinho quase louco, doentio...
     Carinho singular, curioso, imenso,
     Que deixa na alma um resplendor sombrio.
     

     E e de tal forma esse carinho raro,
     De tal encanto e tão sagrada essência,
     De tal Piedade e tal Perdão preclaro,
     Que canta na estrelada Refulgência.
     

     Ah! nunca saberás quanto exotismo
     De sentimento me alanceia e pulsa,
     Vibra violinos de sonambulismo
     Nest'alma ora serena, ora convulsa!
     

     Tens luz de lua e tens gorjeios de ave
     No mundo virginal dos meus sentidos,
     E és sonho, sombra de Angelus suave
     Nos nossos mútuos e comuns gemidos.
     

     E sonho, sombra de Angelus, tão brandos,
     Imortalmente tão indefiníveis
     Que todos os terrores execrandos
     Cobrem-se para nós de íris sensíveis.
     

     É assim que eu te sinto, erma, sozinha,
     Frágil, piedosa, nos singelos brilhos
     Erguendo aos braços, nobremente minha,
     Os dolentes troféus dos nossos filhos.
     

     Erguendo-os como cálices amargos
     De um vinho ideal de já mortas quimeras,
     Para além destes céus mudos e largos
     Na ampla misericórdia das Esferas!
     


[Linha 2800 de 4636 - Parte 2 de 2]


     

                             índice

     
     

     AUSÊNCIA MISTERIOSA
     

     Uma hora só que o teu perfil se afasta,
     Um instante sequer, um só minuto
     Desta casa que amo -- vago luto
     Envolve logo esta morada casta.
     

     Tua presença delicada basta
     Para tudo tornar claro e impoluto...
     Na tua ausência, da Saudade escuto
     O pranto que me prende e que me arrasta...
     

     Secretas e sutis melancolias
     Recuadas na Noite dos meus dias
     Vêm para mim, lentas, se aproximando.
     

     E em toda casa, nos objetos, erra
     Um sentimento que não é da Terra
     E que eu mudo e sozinho vou sonhando...
     
     

                             índice

     
     

     MEU FILHO
     

     Ah! quanto sentimento! ah! quanto sentimento!
     Sob a guarda piedosa e muda das Esferas
     Dorme, calmo, embalado pela voz do vento,
     Frágil e pequenino e tenro como as heras.
     

     Ao mesmo tempo suave e ao mesmo tempo estranho
     O aspecto do meu fiIho assim meigo dormindo...
     Vem dele tal frescura e tal sonho tamanho


[Linha 2850 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Que eu nem mesmo já sei tudo que vou sentindo.
     

     Minh'alma fica presa e se debate ansiosa,
     Em vão soluça e clama, eternamente presa
     No segredo fatal dessa flor caprichosa,
     Do meu filho, a dormir, na paz da Natureza.
     

     Minh'alma se debate e vai gemendo aflita
     No fundo turbilhão de grandes ânsias mudas:
     Que esse tão pobre ser, de ternura infinita,
     Mais tarde irá tragar os venenos de Judas!
     

     Dar-lhe eu beijos, apenas, dar-lhe, apenas, beijos,
     Carinhos dar-lhe sempre, efêmeros, aéreos,
     O que vale tudo isso para outros desejos,
     O que vale tudo isso para outros mistérios?!
     

     De sua doce mãe que em prantos o abençoa
     Com o mais profundo amor, arcangelicamente,
     De sua doce mãe, tão límpida, tão boa,
     O que vale esse amor, todo esse amor veemente?!
     

     O longo sacrifício extremo que ela faça,
     As vigílias sem nome, as orações sem termo,
     Quando as garras cruéis e horríveis da Desgraça
     De sadio que ele é, fazem-no fraco e enfermo?!
     

     Tudo isso, ah! Tudo isso, ah! quanto vale tudo isso
     Se outras preocupações mais fundas me laceram,
     Se a graça de seu riso e a graça do seu viço
     São as flores mortais que meu tormento geram?!
     

     Por que tantas prisões, por que tantas cadeias
     Quando a alma quer voar nos paramos liberta?
     Ah! Céus! Quem me revela essas Origens cheias
     De tanto desespero e tanta luz incerta!
     

     Quem me revela, pois, todo o tesouro imenso
     Desse imenso Aspirar tio entranhado, extremo!
     Quem descobre, afinal, as causas do que eu penso,
     As causas do que eu sofro, as causas do que eu gemo!
     


[Linha 2900 de 4636 - Parte 2 de 2]



     Pois então hei de ter um afeto profundo,
     Um grande sentimento, um sentimento insano
     E hei de vê-lo rolar, nos turbilhões do mundo,
     Para a vala comum do eterno Desengano?!
     

     Pois esse filho meu que ali no berço dorme,
     Ele mesmo tão casto e tão sereno e doce
     Vem para ser na Vida o vão fantasma enorme
     Das dilacerações que eu na minh'alma trouxe?!
     

     Ah! Vida! Vida! Vida! Incendiada tragédia,
     Transfigurado Horror, Sonho transfigurado,
     Macabras contorções de lúgubre comédia
     Que um cérebro de louco houvesse imaginado!
     

     Meu filho que eu adoro e cubro de carinhos,
     Que do mundo vilão ternamente defendo,
     Há de mais tarde errar por tremedais e espinhos
     Sem que o possa acudir no suplicio tremendo.
     

     Que eu vagarei por fim nos mundos invisíveis,
     Nas diluentes visões dos largos Infinitos,
     Sem nunca mais ouvir os clamores horríveis,
     A mágoa dos seus ais e os ecos dos seus gritos.
     

     Vendo-o no berço assim, sinto muda agonia,
     Um misto de ansiedade, um misto de tortura.
     Subo e pairo dos céus na estrelada harmonia
     E desço e entro do Inferno a furna hórrida, escura.
     

     E sinto sede intensa e intensa febre, tanto,
     Tanto Azul, tanto abismo atroz que me deslumbra.
     Velha saudade ideal, monja de amargo Encanto,
     Desce por sobre mim sua estranha penumbra.
     

     Tu não sabes, jamais, tu nada sabes, filho,
     Do tormentoso Horror, tu nada sabes, nada...
     O teu caminho e claro, é matinal de brilho,
     Não conheces a sombra e os golpes da emboscada.
     

     Nesse ambiente de amor onde dormes teu sono


[Linha 2950 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Não sentes nem sequer o mais ligeiro espectro...
     Mas, ah! eu vejo bem, sinistra, sobre o trono,
     A Dor, a eterna Dor, agitando o seu cetro!
     
     

                             índice

     
     

     VISÃO GUIADORA
     

     Ó alma silenciosa e compassiva
     Que conversas com os Anjos da Tristeza,
     Ó delicada e lânguida beleza
     Nas cadeias das lágrimas cativa.
     

     Frágil, nervosa timidez lasciva,
     Graça magoada, doce sutileza
     De sombra e luz e da delicadeza
     Dolorosa de música aflitiva.
     

     Alma de acerbo, amargurado exílio,
     Perdida pelos céus num vago idílio
     Com as almas e visões dos desolados.
     

     Ó tu que és boa e porque és boa és bela,
     Da Fé e da Esperança eterna estrela
     Todo o caminho dos desamparados.
     
     

                             índice

     
     

     LITANIA DOS POBRES
     

     Os miseráveis, os rotos
     São as flores dos esgotos.
     

     São espectros implacáveis


[Linha 3000 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Os rotos, os miseráveis.
     

     São prantos negros de furnas
     Caladas, mudas, soturnas.
     

     São os grandes visionários
     Dos abismos tumultuários.
     

     As sombras das sombras mortas,
     Cegos, a tatear nas portas.
     

     Procurando o céu, aflitos
     E varando o céu de gritos.
     

     Faróis a noite apagados
     Por ventos desesperados.
     

     Inúteis, cansados braços
     Pedindo amor aos Espaços.
     

     Mãos inquietas, estendidas
     Ao vão deserto das vidas.
     

     Figuras que o Santo Ofício
     Condena a feroz suplício.
     

     Arcas soltas ao nevoento
     Dilúvio do Esquecimento.
     

     Perdidas na correnteza
     Das culpas da Natureza.
     

     Ó pobres! Soluços feitos
     Dos pecados imperfeitos!
     

     Arrancadas amarguras
     Do fundo das sepulturas.
     


[Linha 3050 de 4636 - Parte 2 de 2]



     Imagens dos deletérios,
     Imponderáveis mistérios.
     

     Bandeiras rotas, sem nome,
     Das barricadas da fome.
     

     Bandeiras estraçalhadas
     Das sangrentas barricadas.
     

     Fantasmas vãos, sibilinos
     Da caverna dos Destinos!
     

     O pobres! o vosso bando
     É tremendo, é formidando!
     

     Ele já marcha crescendo,
     O vosso bando tremendo...
     

     Ele marcha por colinas,
     Por montes e por campinas.
     

     Nos areiais e nas serras
     Em hostes como as de guerras.
     

     Cerradas legiões estranhas
     A subir, descer montanhas.
     

     Como avalanches terríveis
     Enchendo plagas incríveis.
     

     Atravessa já os mares,
     Com aspectos singulares.
     

     Perde-se além nas distâncias
     A caravana das ânsias.
     

     Perde-se além na poeira,


[Linha 3100 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Das Esferas na cegueira.
     

     Vai enchendo o estranho mundo
     Com o seu soluçar profundo.
     

     Como torres formidandas
     De torturas miserandas.
     

     E de tal forma no imenso
     Mundo ele se torna denso.
     

     E de tal forma se arrasta
     Por toda a região mais vasta.
     

     E de tal forma um encanto
     Secreto vos veste tanto.
     

     E de tal forma já cresce
     O bando, que em vós parece.
     

     Ó Pobres de ocultas chagas
     Lá das mais longínquas plagas!
     

     Parece que em vós há sonho
     E o vosso bando é risonho.
     

     Que através das rotas vestes
     Trazeis delícias celestes.
     

     Que as vossas bocas, de um vinho
     Prelibam todo o carinho...
     

     Que os vossos olhos sombrios
     Trazem raros amavios.
     

     Que as vossas almas trevosas
     Vêm cheias de odor das rosas.
     


[Linha 3150 de 4636 - Parte 2 de 2]



     De torpores, d'indolências
     E graças e quint'essências.
     

     Que já livres de martírios
     Vêm festonadas de lírios.
     

     Vem nimbadas de magia,
     De morna melancolia!
     

     Que essas flageladas almas
     Reverdecem como palmas.
     

     Balanceadas no letargo
     Dos sopros que vem do largo...
     

     Radiantes d'ilusionismos,
     Segredos, orientalismos.
     

     Que como em águas de lagos
     Bóiam nelas cisnes vagos...
     

     Que essas cabeças errantes
     Trazem louros verdejantes.
     

     E a languidez fugitiva
     De alguma esperança viva.
     

     Que trazeis magos aspeitos
     E o vosso bando é de eleitos.
     

     Que vestes a pompa ardente
     Do velho Sonho dolente.
     

     Que por entre os estertores
     Sois uns belos sonhadores.
     
     



[Linha 3200 de 4636 - Parte 2 de 2]


                             índice

     
     

     SPLEEN DE DEUSES
     

     Oh! Dá-me o teu sinistro Inferno
     Dos desesperos tétricos, violentos,
     Onde rugem e bramem como os ventos
     Anátemas da Dor, no fogo eterno...
     

     Dá-me o teu fascinante, o teu falerno
     Dos falernos das lágrimas sangrentos
     Vinhos profundos, venenosos, lentos
     Matando o gozo nesse horror do Averno.
     

     Assim o Deus dos Páramos clamava
     Ao Demônio soturno, e o rebelado,
     Capricórnio Satã, ao Deus bradava.
     

     Se és Deus-e já de mim tens triunfado,
     Para lavar o Mal do Inferno e a bava
     Dá-me o tédio senil do céu fechado...
     
     

                             índice

     
     

     DIVINA
     

     Eu não busco saber o inevitável
     Das espirais da tua vi matéria.
     Não quero cogitar da paz funérea
     Que envolve todo o ser inconsolável.
     

     Bem sei que no teu circulo maleável
     De vida transitória e mágoa seria
     Há manchas dessa orgânica miséria
     Do mundo contingente , imponderável .
     


[Linha 3250 de 4636 - Parte 2 de 2]



     Mas o que eu amo no teu ser obscuro
     E o evangélico mistério puro
     Do sacrifício que te torna heroína.
     

     São certos raios da tu'alma ansiosa
     E certa luz misericordiosa,
     E certa auréola que te fez divina!
     
     

                             índice

     
     

     CABELOS
     

     I
     Cabelos! Quantas sensações ao vê-los!
     Cabelos negros, do esplendor sombrio,
     Por onde corre o fluido vago e frio
     Dos brumosos e longos pesadelos...
     

     Sonhos, mistérios, ansiedades, zelos,
     Tudo que lembra as convulsões de um rio
     Passa na noite cálida, no estio
     Da noite tropical dos teus cabelos.
     

     Passa através dos teus cabelos quentes,
     Pela chama dos beijos inclementes,
     Das dolências fatais, da nostalgia...
     

     Auréola negra, majestosa, ondeada,
     Alma da treva, densa e perfumada,
     Lânguida Noite da melancolia!
     
     

                             índice

     
     

     OLHOS


[Linha 3300 de 4636 - Parte 2 de 2]


     

     II
     A Grécia d'Arte, a estranha claridade
     D'aquela Grécia de beleza e graça,
     Passa, cantando, vai cantando e passa
     Dos teus olhos na eterna castidade.
     

     Toda a serena e altiva heroicidade
     Que foi dos gregos a imortal couraça,
     Aquele encanto e resplendor de raça
     Constelada de antiga majestade,
     

     Da Atenas flórea toda o viço louro,
     E as rosas e os mirtais e as pompas d'ouro,
     Odisséias e deuses e galeras...
     

     Na sonolência de uma lua aziaga,
     Tudo em saudade nos teus olhos vaga,
     Canta melancolias de outras eras!...
     
     

                             índice

     
     

     BOCA
     

     III
     Boca viçosa, de perfume a lírio,
     Da límpida frescura da nevada,
     Boca de pompa grega, purpureada,
     Da majestade de um damasco assírio.
     

     Boca para deleites e delírio
     Da volúpia carnal e alucinada,
     Boca de Arcanjo, tentadora e arqueada,
     Tentando Arcanjos na amplidão do Empírio,
     

     Boca de Ofélia morta sobre o lago,
     Dentre a auréola de luz do sonho vago
     E os faunos leves do luar inquietos...


[Linha 3350 de 4636 - Parte 2 de 2]


     

     Estranha boca virginal, cheirosa,
     Boca de mirra e incensos, milagrosa
     Nos filtros e nos tóxicos secretos...
     
     

                             índice

     
     

     SEIOS
     

     IV
     Magnólias tropicais, frutos cheirosos
     Das árvores do Mal fascinadoras,
     Das negras mancenilhas tentadoras,
     Dos vagos narcotismos venenosos.
     

     Oásis brancos e miraculosos
     Das frementes volúpias pecadoras
     Nas paragens fatais, aterradoras
     Do Tédio, nos desertos tenebrosos...
     

     Seios de aroma embriagador e langue,
     Da aurora de ouro do esplendor do sangue,
     A alma de sensações tantalizando.
     

     Ó seios virginais, tálamos vivos
     Onde do amor nos êxtases lascivos
     Velhos faunos febris dormem sonhando...
     
     

                             índice

     
     

     MÃOS
     

     V
     Ó Mãos ebúrneas, Mãos de claros veios,


[Linha 3400 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Esquisitas tulipas delicadas,
     Lânguidas Mãos sutis e abandonadas,
     Finas e brancas, no esplendor dos seios.
     

     Mãos etéricas, diáfanas, de enleios,
     De eflúvios e de graças perfumadas,
     Relíquias imortais de eras sagradas
     De amigos templos de relíquias cheios.
     

     Mãos onde vagam todos os segredos,
     Onde dos ciúmes tenebrosos, tredos,
     Circula o sangue apaixonado e forte.
     

     Mãos que eu amei, no féretro medonho
     Frias, já murchas, na fluidez do Sonho,
     Nos mistérios simbólicos da Morte!
     
     

                             índice

     
     

     PÉS
     

     VI
     Lívidos, frios, de sinistro aspecto,
     Como os pés de Jesus, rotos em chaga,
     Inteiriçados, dentre a auréola vaga
     Do mistério sagrado de um afeto.
     

     Pés que o fluido magnético, secreto
     Da morte maculou de estranha e maga
     Sensação esquisita que propaga
     Um frio n'alma, doloroso e inquieto...
     

     Pés que bocas febris e apaixonadas
     Purificaram, quentes, inflamadas,
     Com o beijo dos adeuses soluçantes.
     

     Pés que já no caixão, enrijecidos,
     Aterradoramente indefinidos


[Linha 3450 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Geram fascinações dilacerantes!
     
     

                             índice

     
     

     CORPO
     

     VII
     Pompas e pompas, pompas soberanas
     Majestade serene da escultura
     A chama da suprema formosura,
     A opulência das púrpuras romanas.
     

     As formas imortais, claras e ufanas,
     Da graça grega, da beleza pura,
     Resplendem na arcangélica brancura
     Desse teu corpo de emoções profanas.
     

     Cantam as infinitas nostalgias,
     Os mistérios do Amor, melancolias,
     Todo o perfume de eras apagadas...
     

     E as águias da paixão, brancas, radiantes,
     Voam, revoam, de asas palpitantes,
     No esplendor do teu corpo arrebatadas!
     
     

                             índice

     
     

     CANÇÃO NEGRA
     A Nestor Vitor
     

     Ó boca em tromba retorcida
     Cuspindo injúrias para o Céu,
     Aberta e pútrida ferida
     Em tudo pondo igual labéu.
     


[Linha 3500 de 4636 - Parte 2 de 2]



     Ó boca em chamas, boca em chamas,
     Da mais sinistra e negra voz,
     Que clamas, clamas, clamas, clamas,
     Num cataclismo estranho, atroz.
     

     Ó boca em chagas, boca em chagas,
     Somente anátemas a rir,
     De tantas pragas, tantas pragas
     Em catadupas a rugir.
     

     Ó bocas de uivos e pedradas,
     Visão histérica do Mal,
     Cortando como mil facadas
     Dum golpe só, transcendental.
     

     Sublime boca sem pecado,
     Cuspindo embora a lama e o pus,
     Tudo a deixar transfigurado,
     O lodo a transformar em luz.
     

     Boca de ventos inclemente
      De universais revoluções,
     Alevantando as hostes quentes,
     Os sanguinários batalhões.
     

     Abençoada a canção velha
     Que os lábios teus cantam assim
     Na tua face que se engelha,
     Da cor de lívido marfim.
     

     Parece a furna do Castigo
     Jorrando pragas na canção,
      A tua boca de mendigo,
     Tão tosco como o teu bordão.
     

     Boca fatal de torvos trenos!
     Da onipotência do bom Deus,
     Louvados sejam tais venenos,
     Purificantes como os teus!
     

     Tudo precisa um ferro em brasa


[Linha 3550 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Para este mundo transformar...
     Nos teus Anátemas põe asa
     E vai no mundo praguejar!
     

     Ó boca ideal de rudes trovas,
     Do mais sangrento resplendor,
     Vai reflorir todas as covas,
     O facho a erguer da luz do Amor.
     

     Nas vãs misérias deste mundo
     Dos exorcismos cospe o fel...
     Que as tuas pragas rasguem fundo
     O coração desta Babel.
     

     Mendigo estranho! Em toda a parte
     Vai com teus gritos, com teus ais,
     Como o simbólico estandarte
     Das tredas convulsões mortais!
     

     Resume todos esses travos
     Que a terra fazem languescer.
     Das mãos e pés arranca os cravos
     Das cruzes mil de cada Ser.
     

     A terra é mãe!  -- mas ébria e louca
     Tem germens bons e germens vis...
     Bendita seja a negra boca
     Que tão malditas coisas diz!
     
     

                             índice

     
     

     A IRONIA DOS VERMES
     

     Eu imagino que és uma princesa
     Morta na flor da castidade branca...
     Que teu cortejo sepulcral arranca
     Por tanta pompa espasmos de surpresa.
     



[Linha 3600 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Que tu vais por um coche conduzida,
     Por esquadrões flamívomos guardada,
     Como carnal e virgem madrugada,
     Bela das belas, sem mais sol, sem vida.
     

     Que da Corte os luzidos Dignitários
     Com seus aspectos marciais, bizarros,
     Seguem-te após nos fagulhantes, carros
     E a excelsa cauda dos cortejos vários.
     

     Que a tropa toda forma nos caminhos
     Por onde irás passar indiferente;
     Que há no semblante vão de toda a gente
     Curiosidades que parecem vinhos.
     

     Que os potentes canhões roucos atroam
     O espaço claro de uma tarde suave,
     E que tu vais, Lírio dos lírios e ave
     Do Amor, por entre os sons que te coroam.
     

     Que nas flores, nas sedas, nos veludos,
     E nos cristais do féretro radiante
      Nos damascos do Oriente, na faiscante
     Onda de tudo há longos prantos mudos.
     

     Que do silêncio azul da imensidade,
     Do perdão infinito dos Espaços
     Tudo te dá os beijos e os abraços
     Do seu adeus a tua Majestade.
     

     Que de todas as coisas como Verbo
     De saudades sem termo e de amargura,
     Sai um adeus a tua formosura,
     Num desolado sentimento acerbo.
     

     Que o teu corpo de luz, teu corpo amado,
     Envolto em finas e cheirosas vestes,
     Sob o carinho das Mansões celestes
     Ficará pela Morte encarcerado.
     

     Que o teu séquito é tal, tal a coorte,
     Tal o sol dos brasões, por toda a parte,


[Linha 3650 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Que em vez da horrenda Morte suplantar-te
     Crê-se que és tu que suplantaste a Morte.
     

     Mas dos faustos mortais a regia trompa,
     Os grandes ouropéis, a real Quermesse,
     Ah! tudo, tudo proclamar parece
     Que hás de afinal apodrecer com pompa.
     

     Como que foram feitos de luxúria
     E gozo ideal teus funerais luxuosos
     Para que os vermes, pouco escrupulosos,
     Não te devorem com plebéia fúria.
     

     Para que eles ao menos vendo as belas
     Magnificências do teu corpo exausto
     Mordam-te com cuidados e cautelas
     Para o teu corpo apodrecer com fausto.
     

     Para que possa apodrecer nas frias
     Geleiras sepulcrais d'esquecimentos,
     Nos mais augustos apodrecimentos,
     Entre constelações e pedrarias.
     

     Mas ah! quanta ironia atroz, funérea,
     Imaginária e cândida Princesa:
     És igual a uma simples camponesa
     Nos apodrecimentos da Matéria!
     
     

                             índice

     
     

     INÊS
     

     Tem teu nome a estranha graça
     De uma galga verde, estranha.
     Certo langor te adelgaça,
     Certo encanto te acompanha.
     

     És velada, quebradiça


[Linha 3700 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Como teu nome é velado.
     Certa flor curiosa viça
     No teu corpo edenizado.
     

     Chamam-te a Inês dos quebrantos,
     A galga verde, a felina,
     Amaranto de amarantos,
     Das franzinas a franzina.
     

     Teus olhos, langues aquários
     Adormentados de cisma,
     Vivem mudos, solitários
     Como uma treva que abisma.
     

     Tua boca, vivo cravo
     Sangüíneo, púrpuro, ardente,
     De certa forma tem travo
     Embora veladamente.
     

     És lírio de velho outono,
     Meiga Inês, e de tal sorte
     Que já vives no abandono,
     Meio enevoada da morte.
     

     Teu beijo, do rosmaninho
     Tem o sainete amargoso...
     Lembra a saudade de um vinho
     Secreto, mas venenoso.
     

     Por um mistério indizível
     Não te é dado amar na terra.
     Vem de longe o Indefinível
     Que os teus silêncios encerra!
     

     Deus fechou-te a sete chaves
     O coração lá no fundo...
     Mas deu-te as asas das aves
     Para irradiares no mundo.
     
     

                             índice



[Linha 3750 de 4636 - Parte 2 de 2]


     
     

     HUMILDADE SECRETA
     

     Fico parado, em êxtase suspenso,
     Às vezes, quando vou considerando
     Na humildade simpática, no brando
     Mistério simples do teu ser imenso.
     

     Tudo o que aspiro, tudo quanto penso
     D'estrelas que andam dentro em mim cantando,
     Ah! tudo ao teu fenômeno vai dando
     Um céu de azul mais carregado e denso.
     

     De onde não sei tanta simplicidade,
     Tanta secreta e límpida humildade
     Vem ao teu ser como os encantos raros.
     

     Nos teus olhos tu alma transparece...
     E de tal sorte que o bom Deus parece
     Viver sonhando nos teus olhos claros.
     
     

                             índice

     
     

     FLOR PERIGOSA
     

     Ah! quem, trêmulo e pálido, medita
     No teu perfil de áspide triste, triste,
     Não sabe em quanto abismo essa infinita
     Tristeza amarga singular consiste.
     

     Tens todo o encanto de uma flor, o encanto
     Secreto de uma flor de vago aroma...
     Mas não sei que de morno e de quebranto
     Vem, lasso e langue, dessa negra coma.
     

     És das origens mais desconhecidas,


[Linha 3800 de 4636 - Parte 2 de 2]


     De uma longínqua e nebulosa infância.
     A visão das visões indefinidas,
     De atra, sinistra mórbida elegância.
     

     Como flor, entretanto, és bem amarga!
     Pólens celestes o teu ser inundam,
     Mas ninguém sabe a onda nervosa e larga
     Dos insetos mortais que te circundam.
     

     Quem teu aroma de mulher aspira
     Fica entre ânsias de túmulo fechado...
     Sente vertigens de vulcão, delira
     E morre, sutilmente envenenado.
     

     Teu olhar de fulgências e de treva,
     Onde as volúpias a pecar se ajustam,
     Guarda um mistério que envilece e eleva,
     Causa delíquios e emoções que assustam.
     

     És flor, mas como flor és perigosa,
     Do mais sombrio e tétrico perigo...
     Fenômenos fatais de luz ansiosa
     Vão pelas noites segredar contigo.
     

     Vão segredar que és feia e que és estranha
     Sendo feia, mas sendo extravagante,
     De enorme, de esquisita, de tamanha
     Influência de eclipse radiante...
     

     Sei! não nasceste sob a luz que ondeia
     Na beleza e nos astros da saúde;
     Mas sendo assim, morbidamente feia,
     O teu ser feia torna-se virtude.
     

     És feia e doente, surges desse misto,
     Da exótica, da insana, da funesta
     Auréola ideal dos martírios de Cristo
     Naquela Dor absurdamente mesta.
     

     Vens de lá, vens de 1á -- fundos remotos
     Adelgaçando como os véus de um rio...
     Abrindo do magoado e velho lótus


[Linha 3850 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Do sentimento, todo o sol doentio...
     

     Mas quem quiser saber o quanto encerra
     Teu ser, de mais profundo e mais nevoento,
     Venha aspirar-te no teu vaso -- a Terra --
     Ó perigosa flor do esquecimento!
     
     

                             índice

     
     

     METEMPSICOSE
     

     Agora, já que apodreceu a argila
     Do teu corpo divino e sacrossanto;
     Que embalsamaram de magoado pranto
     A tua carne, na mudez tranqüila,
     

     Agora, que nos Céus, talvez, se asila
     Aquela graça e luminoso encanto
     De virginal e pálido amaranto
     Entre a Harmonia que nos Céus desfila.
     

     Que da morte o estupor macabro e feio
     Congelou as magnólias do teu seio,
     Por entre catalépticas visões...
     

     Surge, Bela das Belas, na Beleza
     Do transcendentalismo da Pureza,
     Nas brancas, imortais Ressurreições!
     
     

                             índice

     
     

     OS MONGES
     

     Montanhas e montanhas e montanhas


[Linha 3900 de 4636 - Parte 2 de 2]


              Ei-los que vão galgando.
     As sombras vãs das figuras estranhas
             Na Terra projetando.
     

     Habitam nas mansões do Imponderável
              Esses graves ascetas;
     Ocultando, talvez, no Inconsolável
             Amarguras inquietas.
     

     Como os reis Magos, trazem lá do Oriente
              As alfaias preciosas,
     Mas alfaias, surpreendentemente,
             As mais miraculosas.
     

     Nem incensos, nem mirras e nem ouros,
             Nem mirras nem incensos,
     Outros mais raros, mágicos tesouros
             Sobre todos, imensos.
     

     Pelos longínquos, sáfaros caminhos
              Que vivem percorrendo,
     A Dor, como atros, venenosos vinhos,
             Os vai deliqüescendo.
     

     São os monges sombrios, solitários,
             Como esses vagos rios
     Que passam nas florestas tumultuários,
              Solitários, sombrios.
     

     São monges das florestas encantadas,
              Dos ignotos tumultos,
     Almas na Terra desassossegadas,
              Desconsolados vultos.
     

     São os monges da Graça e do Mistério,
              Faróis da Eternidade
     Iluminando todo o Azul sidéreo
              Da sagrada Saudade.
     

     -- Onde e quando acharão o seu descanso
              Eles que há tanto vagam?
     Em que dia terão esse remanso


[Linha 3950 de 4636 - Parte 2 de 2]


              Os seus pés que se chagam?
     

     Quando caminham nas Regiões nevoentas,
              Da lua nos quebrantos,
     As suas sombras vagarosas, lentas
              Ganham certos encantos...
     

     Ficam nimbados pela luz da lua
              Os seus perfis tristonhos...
     Sob a dolência peregrina e crua
              Dos tantálicos sonhos.
     

     As Ilusões são seus mantos sangüíneos
              De símbolos de dores,
     De signos, de solenes vaticínios,
              De nirvânicas flores.
     

     Benditos monges imortais, benditos
              Que etéreas harpas tangem!
     Que rasgam d'alto a baixo os Infinitos,
              Infinitos abrangem.
     

     Deixai-os ir com os seus troféus bizarros
              De humano Sentimento,
     Arrebatados pelos ígneos carros
              Do augusto Pensamento.
     

     Que os leve a graça das errantes almas,
              -- Grandes asas de tudo --
     Entre as Hosanas, o verdor das palmas,
              Entre o Mistério mudo!
     

     Não importa saber que rumo trazem
              Nem se é longo esse rumo...
     Eles no Indefinido se comprazem,
              São dele a chama e o fumo.
     

     Deixai-os ir pela Amplidão a fora,
              Nos Silêncios da esfera,
     Nos esplendores da eternal Aurora
              Coroados de Quimera!
     


[Linha 4000 de 4636 - Parte 2 de 2]



     Deixai-os ir pela Amplidão, deixai-os,
              No segredo profundo,
     Por entre fluidos de celestes raios
              Transfigurando o mundo.
     

     Que só os astros do Azul cintilam
              Pela sidérea rede
     Saibam que os monges, lívidos, desfilam
              Devorados de sede...
     

     Que ninguém mais possa saber as ânsias
              Nem sentir a Dolência
     Que vindo das incógnitas Distancias
              E dos monges a essência!
     

     Monges, ó monges da divina Graça,
              Lá da graça divina,
     Deu-vos o Amor toda a imortal couraça
              Dessa Fé que alucina.
     

     No meio de anjos que vos-abençoam
              Corações estremecem...
     E tudo eternamente vos perdoam
              Os que não vos esquecem.
     

     Toda a misericórdia dos espaços
              Vos oscule, surpresa...
     E abri, serenos, largamente, os braços
              A toda a Natureza!
     
     

                             índice
     
     
     

     TRISTEZA DO INFINITO
     

     Anda em mim, soturnamente,
     Uma tristeza ociosa
     Sem objetivo, latente,
     Vaga, indecisa, medrosa.


[Linha 4050 de 4636 - Parte 2 de 2]


     

     Como ave torva e sem rumo,
     Ondula, vagueia, oscila
     E sobe em nuvens de fumo
     E na minh'alma se asila.
     

     Uma tristeza que eu, mudo,
     Fico nela meditando
     E meditando, por tudo
     E em toda a parte sonhando.
     

     Tristeza de não sei donde,
     De não sei quando nem como...
     Flor mortal, que dentro esconde
     Sementes de um mago pomo.
     

     Dessas tristezas incertas,
     Esparsas, indefinidas...
     Como almas vagas, desertas
     No rumo eterno das vidas.
     

     Tristeza sem causa forte,
     Diversa de outras tristezas,
     Nem da vida nem da morte
     Gerada nas correntezas...
     

     Tristeza de outros espaços,
     De outros céus, de outras esferas,
     De outros límpidos abraços,
     De outras castas primaveras.
     

     Dessas tristezas que vagam
     Com volúpias tão sombrias
     Que as nossas almas alagam
     De estranhas melancolias.
     

     Dessas tristezas sem fundo,
     Sem origens prolongadas,
     Sem saudades deste mundo,
     Sem noites, sem alvoradas.
     



[Linha 4100 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Que principiam no sonho
     E acabam na Realidade,
     Através do mar tristonho
     Desta absurda Imensidade.
     

     Certa tristeza indizível,
     Abstrata, como se fosse
     A grande alma do Sensível
     Magoada, mística, doce.
     

     Ah! tristeza imponderável,
     Abismo, mistério aflito,
     Torturante, formidável...
     Ah! tristeza do Infinito!
     
     

                             índice

     
     

     LUAR DE LÁGRIMAS
     

     I
     Nos estrelados, límpidos caminhos
     Dos Céus, que um luar criva de prata e de ouro,
     Abrem-se róseos e cheirosos ninhos,
     E há muitas messes do bom trigo louro.
     

     Os astros cantam meigas cavatinas,
     E na frescura as almas claras gozam
     Alvoradas eternal, cristalinas,
     E os Dons supremos, divinais esposam.
     

     Lá, a florescência dos Desejos
     Tem sempre um novo e original perfume,
     Tudo rejuvenesce dentre harpejos
     E dentre palmas verdes se resume.
     

     As próprias mocidades e as infâncias
     Das coisas tem um esplendor infindo
     E as imortalidades e as distancias
     


[Linha 4150 de 4636 - Parte 2 de 2]



     Estão sempre florindo e reflorindo.
     Tudo aÍ se consola e transfigura
     Num Relicário de viver perfeito,
     E em cada uma alma peregrina e pura
     Alvora o sentimento mais eleito.
     

     Tudo aí vive e sonha o imaculado
     Sonho esquisito e azul das quint'essências,
     Tudo é sutil e cândido, estrelado,
     Embalsamado de eternais essências.
     

     Lá as Horas são águias, voam, voam
     Com grandes asas resplandecedoras...
     E harpas augustas finamente soam
     As Aleluias glorificadoras.
     

     Forasteiros de todos os matizes
     Sentem ali felicidades castas
     E os que essas libações gozam felizes
     Deixam da terra as vastidões nefastas.
     

     Anjos excelsos e contemplativos,
     Soberbos e solenes, soberanos,
     Com aspectos grandíloquos, altivos,
     Sonham sorrindo, angelicais e ufanos.
     

     Lá não existe a convulsão da Vida
     Nem os tremendos, trágicos abrolhos.
     Há por tudo a doçura indefinida
     Dos azuis melancólicos de uns olhos.
     

     Véus brancos de Visões resplandecentes
     Miraculosamente se adelgaçam...
     E recordando essas Visões diluentes
     Dolências beethovínicas perpassam.
     

     Há magos e arcangélicos poderes
     Para que as existências se transformem...
     E os mais egrégios e completos seres
     Sonos sagrados, impolutos dormem...
     



[Linha 4200 de 4636 - Parte 2 de 2]


     E lá que vagam, que plangentes erram,
     Lá que devem vagar, decerto, flóreas,
     Puras, as Almas que eu perdi, que encerram
     O meu Amor nas Urnas ilusórias.
     

     Hosanas de perdão e de bondade
     De celestial misericórdia santa
     Abençoam toda essa claridade
     Que na harmonia das Esferas canta.
     

     Preces ardentes como ardentes sarças
     Sobem no meio das divinas messes.
     Lembra o vôo das pombas e das garças
     A leve ondulação de tantas preces.
     

     E quem penetra nesse ideal Domínio,
     Por entre os raios das estrelas belas,
     Todo o celeste e singular escrínio,
     Todo o escrínio das lágrimas vê nelas.
     

     E absorto, penetrando os Céus tão calmos,
     Céus de constelações que maravilham,
     Não sabe, acaso, se com os brilhos almos,
     São estrelas ou lágrimas que brilham.
     

     Mas ah! das Almas esse azul letargo,
     Esse eterno, imortal Isolamento,
     Tudo se envolve num luar amargo
     De Saudade, de Dor, de Esquecimento!
     

     Tudo se envolve nas neblinas densas
     De outras recordações, de outras lembranças,
     No doce luar das lágrimas imensas
     Das mais inconsoláveis esperanças.
     

     II
     Ó mortos meus, ó desabados mortos!
     Chego de viajar todos os portos.
     

     Volto de ver inóspitas paragens,
     As mais profundas regiões selvagens.
     


[Linha 4250 de 4636 - Parte 2 de 2]



     Andei errando por funestas tendas
     Onde das almas escutei as lendas.
     

     E tornei a voltar por uma estrada
     Erma, na solidão, abandonada.
     

     Caminhos maus, atalhos infinitos
     Por onde só ouvi ânsias e gritos.
     

     por toda a parte a rir o incêndio e a peste
     Debaixo da Ilusão do Azul celeste.
     

     Era também luar, luar lutuoso
     Pelas estradas onde errei saudoso...
     

     Era também luar, o luar das penas,
     Brando luar das Ilusões terrenas.
     

     Era um luar de triste morbideza
     Amortalhando toda a natureza.
     

     E eu em vão busquei, Mortos queridos,
     Por entre os meus tristíssimos gemidos.
     

     Em vão pedi os filtros dos segredos
     Da vossa morte, a voz dos arvoredos.
     

     Em vão fui perguntar ao Mar que e cego
     A lei do Mar do Sonho onde navego.
     

     Ao Mar que e cego, que não vê quem morre
     Nas suas ondas, onde o sol escorre...
     

     Em vão fui perguntar ao Mar antigo
     Qual era o vosso desolado abrigo.
     

     Em vão vos procurei cheio de chagas,


[Linha 4300 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Por estradas insólitas e vagas.
     

     Em vão andei mil noites por desertos,
     Com passos, espectrais, dúbios, incertos.
     

     Em vão clamei pelo luar a fora,
     Pelos ocasos, pelo albor da aurora.
     

     Em vão corri nos areiais terríveis
     E por curvas de montes impassíveis.
     

     Só um luar, só um luar de morte
     Vagava igual a mim, com a mesma sorte.
     

     Só um luar sempre calado e dútil,
     Para a minha aflição, acerbo e inútil.
     

     Um luar de silêncio formidável
     Sempre me acompanhando, impenetrável.
     

     Só um luar de mortos e de mortas
     Para sempre a fechar-me as vossas portas.
     

     E eu, já purgado dos terrestres
     Crimes, Sem achar nunca essas portas sublimes.
     

     Sempre fechado a chave de mistério
     O vosso exílio pelo Azul sidéreo.
     

     Só um luar de trêmulos martírios
     A iluminar-me com clarões de círios.
     

     Só um luar de desespero horrendo
     Ah! sempre me pungindo e me vencendo.
     

     Só um luar de lágrimas sem termos
     Sempre me perseguindo pelos ermos.
     


[Linha 4350 de 4636 - Parte 2 de 2]



     E eu caminhando cheio de abandono
     Sem atingir o vosso claro trono.
     

     Sozinho para longe caminhando
     Sem o vosso carinho venerando.
     

     Percorrendo o deserto mais sombrio
     E de abandono a tiritar de frio...
     

     Ó Sombras meigas, ó Refúgios ternos
     Ah! como penetrei tantos Infernos!
     

     Como eu desci sem vós negras escarpas,
     A Almas do meu ser, Ó Almas de harpas!
     

     Como senti todo esse abismo ignaro
     Sem nenhuma de vós por meu amparo.
     

     Sem a benção gozar, serena e doce,
     Que o vosso Ser aos meus cuidados trouxe.
     

     Sem ter ao pe de mim o astral cruzeiro
     Do vosso grande amor alvissareiro.
     

     Por isso, ó sombras, sombras impolutas,
     Eu ando a perguntar as formas brutas.
     

     E ao vento e ao mar e aos temporais que ululam
     Onde é que esses perfis se crepusculam.
     

     Caminho, a perguntar, em vão, a tudo,
     E só vejo um luar soturno e mudo.
     

     Só contemplo um luar de sacrifícios,
     De angústias, de tormentas, de cilícios.
     

     E sem ninguém, ninguém que me responda


[Linha 4400 de 4636 - Parte 2 de 2]


     Tudo a minh'alma nos abismos sonda.
     

     Tudo, sedenta, quer saber, sedenta
     Na febre da Ilusão que mais aumenta.
     

     Tudo, mas tudo quer saber, não cessa
     De perscrutar e a perscrutar começa.
     

     De novo sobe e desce escadarias
     D'estrelas, de mistérios, de harmonias.
     

     Sobe e não cansa, sobe sempre, austera,
     Pelas escadarias da Quimera.
     

     Volta, circula, abrindo as asas volta
     E os vôos de águia nas Estrelas solta.
     

     Cada vez mais os vôos no alto apruma
     Para as etéreas amplidões da Bruma.
     

     E tanta forca na ascensão desprende
     Da envergadura, a proporção que ascende...
     

     Tamanho impulso, colossal, tamanho
     Ganha na Altura, no Esplendor estranho.
     

     Tanto os esforços em subir concentra,
     Em tantas zonas de Prodígios entra.
     

     Nas duas asas tal vigor supremo
     Leva, através de todo o Azul extremo,
     

     Que parece cem águias de atras garras
     Com asas gigantescas e bizarras.
     

     Cem águias soberanas, poderosas
     Levantando as cabeças fabulosas.
     


[Linha 4450 de 4636 - Parte 2 de 2]



     E voa, voa, voa, voa imersa
     Na grande luz dos Paramos dispersa.
     

     E voa, voa, voa, voa, voa
     Nas Esferas sem fim perdida a toa.
     

     Ate que exausta da fadiga e sonho
     Nessa vertigem, nesse errar medonho.
     

     Ate que tonta de abranger Espaços,
     Da Luz nos fulgidíssimos abraços.
     

     Depois de voar a tão sutis Encantos,
     Vendo que as Ilusões a abandonaram,
     Chora o luar das lágrimas, os prantos
     Que pelos Astros se cristalizaram!
     
     

                             índice

     
     

     ÉBRIOS E CEGOS
     

              Fim de tarde sombria.
     Torvo e pressago todo o céu nevoento.
              Densamente chovia.
     Na estrada o lodo e pelo espaço o vento.
     

             Monótonos gemidos
     Do vento, mornos, lânguidos, sensíveis:
              Plangentes ais perdidos
     De solitários seres invisíveis...
     

              Dois secretos mendigos
     Vinham, bambos, os dois, de braço dado,
              Como estranhos amigos
     Que se houvessem nos tempos encontrado.
     



[Linha 4500 de 4636 - Parte 2 de 2]


              Parecia que a bruma
     Crepuscular os envolvia, absortos
              Numa visão, nalguma
     Visão fatal de vivos ou de mortos.
     

              E de ambos o andar lasso
     Tinha talvez algum sonambulismo,
              Como através do espaço
     Duas sombras volteando num abismo.
     

              Era tateante, vago
     De ambos o andar, aquele andar tateante
              De ondulação de lago,
     Tardo, arrastado, trêmulo, oscilante.
     

              E tardo, lento, tardo,
     Mais tardo cada vez, mais vagaroso,
              No torvo aspecto pardo
     Da tarde, mais o andar era brumoso.
     

              Bamboleando no lodo,
     Como que juntos resvalando aéreos,
              Todo o mistério, todo
     Se desvendava desses dois mistérios:
     

             Ambos ébrios e cegos,
     No caos da embriaguez e da cegueira,
              Vinham cruzando pegos
     De braço dado, a sua vida inteira.
     

              Ninguém diria, entanto,
     O sentimento trágico, tremendo,
              A convulsão de pranto
     Que aquelas almas iam turvescendo.
     

              Ninguém sabia, certos,
     Quantos os desesperos mais agudos
              Dos mendigos desertos,
     Ébrios e cegos, caminhando mudos.
     

             Ninguém lembrava as ânsias
     Daqueles dois estados meio gêmeos,


[Linha 4550 de 4636 - Parte 2 de 2]


              Presos nas inconstâncias
     De sofrimentos quase que boêmios.
     

              Ninguém diria nunca,
     Ébrios e cegos, todos dois tateando,
             A que atroz espelunca
     Tinham, sem vista, ido beber, bambeando.
     

              Que negro álcool profundo
     Turvou-lhes a cabeça e que sudário
              Mais pesado que o mundo
     Pôs-lhes nos olhos tal horror mortuário.
     

              E em tudo, em tudo aquilo,
     Naqueles sentimentos tão estranhos.
              De tamanho sigilo,
     Como esses entes vis eram tamanhos!
     

              Que tão fundas cavernas,
     Aquelas duas dores enjaularam,
              Miseráveis e eternas
     Nos horríveis destinos que as geraram.
     

              Que medonho mar largo,
     Sem lei, sem rumo, sem visão, sem norte,
              Que absurdo tédio amargo
     De almas que apostam duelar com a morte!
     

              Nas suas naturezas,
     Entre si tão opostas, tão diversas,
              Monstruosas grandezas
     Medravam, já unidas, já dispersas.
     

              Onde a noite acabava
     Da cegueira feral de atros espasmos,
              A embriaguez começava
     Rasgada de ridículos sarcasmos.
     

              E bêbadas, sem vista,
     Na mais que trovejante tempestade,
              Caminhando a conquista
     Do desdém das esmolas sem piedade,


[Linha 4600 de 4636 - Parte 2 de 2]


     

              Lá iam, juntas, bambas,
     -- acorrentadas convulsões atrozes --,
              Ambas as vidas, ambas
     Já meio alucinadas e ferozes.
     

              E entre a chuva e entre a lama
     E soluços e lágrimas secretas,
              Presas na mesma trama,
     Turvas, flutuavam, trêmulas, inquietas.
     

              Mas ah! torpe matéria!
     Se as atritassem, como pedras brutas,
              Que chispas de miséria
     Romperiam de tais almas corruptas!
     

              Tão grande, tanta treva,
     Tão terrível, tão trágica, tão triste,
              Os sentidos subleva,
     Cava outro horror, fora do horror que existe.
     

              Pois do sinistro sonho
     Da embriaguez e da cegueira enorme,
              Erguia-se, medonho,
     Da loucura o fantasma desconforme.
     

...


FIM - FIM - FIM


...

Faróis - Parte 1 de 2 - Cruz e Sousa
http://publicadosbrasil.blogspot.com/2018/06/farois-parte-1-de-2-cruz-e-sousa.html

Faróis - Parte 1 de 2 - Cruz e Sousa
http://publicadosbrasil.blogspot.com/2018/06/farois-parte-2-de-2-cruz-e-sousa.html

...

Literatura Clássica Brasileira - LIVROS ONLINE - http://bit.ly/2ne9ngz
http://publicadosbrasil.blogspot.com/2017/03/literatura-classica-brasileira.html







...

Leia também:

01 - 5 mitos sobre os Jogos Olímpicos da Antiguidade

02 - Códigos "secretos" abrem categorias específicas da Netflix

03 - Personagens da Marvel estampam uniforme da NASA

04 - Conheça a obra ancestral chinesa por trás do Dragon Ball

05 - Stephen Hawking quer buscar vida extraterrestre inteligente

06 - Leão - Majestade por Mérito

07 - Vacinas do Futuro - Medicina

08 - Estudo derruba mito de recriar dinossauros

09 - Russos detectam asteroide de 10 toneladas que passou raspando pela Terra

10 - Quebrando o gelo - Antartida



COMPARTILHAR NO FACEBOOK:
http://bit.ly/29N4G84


COMPARTILHAR NO TWITTER:
http://bit.ly/29BNtyN



CHAT DO BLOG - http://bit.ly/2cWL4j4
www.publicadosbrasil.blogspot.com
Publicados Brasil no YouTube
http://bit.ly/1zIu2s4
http://num.to/6944-5525-7037


01 - 11 clássicos do MS-DOS para jogar - http://bit.ly/1P3vIVn
02 - Imagina ter 900 games de Arcade - http://bit.ly/1J25y0W
03 - Jogando NES OnLine - http://bit.ly/1M4IdTh
04 - 1.185 jogos de Mega Drive - http://bit.ly/1GSTaj2
05 - Ler Scans e Quadrinhos Digitais - Um mundo DIGITAL - http://bit.ly/2cYfdkS
06 - Poeira das Estrelas - Documentário - http://bit.ly/2eLj1ni
07 - Retrô - Relembre as caixas de videogames e jogos lançados no Brasil - http://bit.ly/2hDNdEi
08 - Cachorro-quente no espetinho - Lanche da tarde - http://bit.ly/2lwFSEJ
09 - Coleção Saiba Mais - Completa - http://bit.ly/2lBVIyO
10 - Compilação de 4226 Postagens - 16/02/2017 - http://bit.ly/2lZYwoQ
11 - Literatura Clássica Brasileira - LIVROS ONLINE - http://bit.ly/2ne9ngz
12 - As 5564 Cidades do Brasil - http://bit.ly/2mykDTg
13 - JogosRBL4 - Jogos Retro grátis no seu PC - http://bit.ly/2uLgDHd
14 - JogosRBL6 -Agora com Playstation One - http://bit.ly/2gjEatl
15 - 945 Filmes Legendados - Coleção Setembro de 2017 - http://bit.ly/2wOM0Ra
16 - Coleção 656 CD-ROM's - Outubro de 2017 - http://bit.ly/2AiD72n
17 - Playstation One Collection - 1391 Games - http://bit.ly/2FkMp3I
18 - Armazenador de Arquivo - https://bit.ly/2JdMfNF

http://bit.ly/1zIu2s4

http://num.to/6944-5525-7037



Nenhum comentário:

Postar um comentário