Clique no PLAY para leitura automática do texto:

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Egito começa a restaurar máscara de Tutancâmon colada com massa


Egito começa a restaurar máscara de Tutancâmon colada com massa

Cientistas Christian Eckman e Katja Broschat examinam máscara mortuária de Tutancâmon: barba foi colada com massa de epóxi depois que funcionário a derrubou sem querer (Foto: AP Photo/Amr Nabil)

Barba foi grosseiramente colada depois de ser quebrada por funcionário.
Máscara do faraó está entre principais atrações de Museu Egípcio, no Cairo.

Restauradores começaram a trabalhar na famosa máscara  mortuária do Tutancâmon em Cairo, no Egito. Há mais de um ano, a barba do faraó, quebrada por um funcionário por acidente, foi colada grosseiramente com massa de epóxi.


Nesta terça-feira (20/10/2015), uma equipe de pesquisadores egípcios e alemães expuseram seus planos sobre como devem remover o epóxi antes de religar a barba ao resto da máscara, utilizando um método que ainda deve ser determinado por um comitê científico.

Christian Eckmann, especialista que liderou a restauração, diz que o trabalho deve levar de um a dois meses, dependendo de quanto vai levar para remover a barba. A ideia é que pesquisas revelem como a barba se conectava originalmente com o resto do objeto.

Restaurador Christian Eckmann examina barba da máscara mortuária de Tutancâmon nesta terça-feira; barba foi colada com massa de epóxi (Foto: AP Photo/Amr Nabil)

"Temos algumas incertezasa agora, não sabemos o quão profundamente a cola penetrou na barba, então não sabemos quanto tempo deve levar para removê-la", disse Tarek Tawfik, diretor-geral do Grande Museu Egípcio, ainda em construção.

Em agosto de 2014, funcionários teriam tirado a máscara da redoma onde fica para consertar a iluminação e "a máscara tocou a vitrine e quase caiu", explicou. A barba teria se descolado depois que um funcionário segurou o objeto para não deixá-lo cair.

A longa barba trançada, que já havia se soltado anteriormente, estava presa por um simples gancho, segundo ele. "Esse tipo de coisa pode acontecer. Mas o que agravou a situação foi o medo do empregado que reparou na pressa" com uma cola ruim.




Nenhum comentário:

Postar um comentário